fbpx

A prevenção para a dengue

A maneira mais simples de não sofrer com a dengue é evitando a proliferação dos mosquitos

A tarefa não é tão simples quanto parece. O infectologista e atual presidente da Sociedade Brasileira de Dengue e Arboviroses, Dr. Arthur Timerman, explica que a urbanização é apropriada para o mosquito. Ele só seria erradicado mudando o tipo de urbanização já que, hoje, eles se adaptam ao ambiente.

“Evitar a contaminação é difícil, porque evitar o mosquito não é fácil e não depende da pessoa, mas da comunidade. Evitar os criadouros de mosquitos, com água parada, é fundamental. Não adianta jogar fora todas as coisas que juntam água em casa se o vizinho tem um terreno baldio cheio de pneus velhos”, comenta o infectologista do Hospital Israelita Albert Einstein.

As duas principais maneiras de barrar a contaminação é evitar focos de água parada, que servem como criadouro para o transmissor, e impedir a picada do mosquito, com o uso de repelentes.

O Dr. Timerman alerta para o cuidado com as crianças. “Os mosquitos voam a 1,5 metro. Então, é importante proteger o pescoço e o rosto dos pequenos e não somente as pernas e os pés, como normalmente acontece”, diz.

O tratamento de dengue é puramente sintomático, não há um medicamento específico. Segundo a Dra. Luciana, deve-se usar somente dipirona ou paracetamol para dores e febre. O profissional de saúde pode prescrever fármacos para náuseas e soros de hidratação oral. Alguns anti-inflamatórios não esteroidais – como cetoprofeno, nimesulida, diclofenaco e ácido acetilsalicítico – não devem ser utilizados em caso de suspeita de dengue.

“Os anti-inflamatórios não esteroidais apresentam ação sobre as plaquetas, prejudicando a coagulação sanguínea e aumentando o risco de sangramento. Também podem propiciar o sangramento do trato gastrointestinal, aumentando a gravidade da dengue”, alerta.

Os meses mais quentes chegam e, com eles, as campanhas contra o Aedes aegypti – o mosquito da dengue.

Foto: Shutterstock

Marco histórico

Edição 300 - 2017-11-01 Marco histórico

Essa matéria faz parte da Edição 300 da Revista Guia da Farmácia.