fbpx

Protetor solar é prioridade no verão

Ao pensar em sol, o primeiro item a ser comprado e guardado no nécessaire é, sem dúvida, o protetor solar. Basta a farmácia oferecer o mix e o atendimento adequados para aumentar suas vendas

A venda de protetor solar cresce exponencialmente conforme a temperatura aumenta. O verão é, claro, a estação onde os produtos têm maior protagonismo, protegendo a pele da exposição solar em piscinas, praias e até na prática esportiva a céu aberto.

Essa é a oportunidade perfeita para o varejo farmacêutico aumentar suas vendas no verão, aproveitando a sazonalidade e o anseio dos consumidores não só pela categoria, mas por produtos correlatos, como hidratantes e pós-sol.

Para isso, é preciso que a loja esteja perfeitamente arrumada e os atendentes treinados para tirar dúvidas e ajudar aqueles que estão prontos para o período de temperaturas elevadas. Mas, antes, é necessário entender as principais características do protetor solar e a melhor forma de trabalhar a categoria no ponto de venda  no verão (PDV).

Para todos os gostos

A preocupação com a pele é cada vez mais evidente, fazendo com que a indústria estude e desenvolva sempre novos produtos, especialmente para o mercado brasileiro. É o caso dos protetores solares para um tipo específico de pele.

A pele oleosa é a mais comum no Brasil. Oito em cada dez receitas de dermocosméticos incluem uma opção para controle de oleosidade e 68% das mulheres usam ao menos um produto de limpeza facial pela manhã. Exatamente por isso, o consumidor tende a escolher os protetores que não só tenham o benefício do Fator de Proteção Solar (FPS), mas também outras vantagens, como fórmula oil-free.

“O consumidor brasileiro prefere um protetor solar que tenha textura leve e toque seco. Além disso, cada vez mais a escolha é pelo FPS mais alto, com maior poder de proteção contra os raios ultravioleta UVA e UVB”, explica a marketing grouper Skin Care da NIVEA, Marcela Faconti.

Dicas para alavancar as vendas

Apesar de ser consumido durante todo o ano, a busca pelos protetores solares aumenta nos meses mais quentes. Essa é a oportunidade perfeita para aumentar o tíquete médio. Para isso, o varejista pode aproveitar algumas oportunidades:

  • Garantir o preço correto;
  • Ter o abastecimento do mix ideal em loja;
  • Dar mais visibilidade para os produtos;
  • Utilizar materiais de pontos de venda (PDVs), como displays de chão e de balcão para exposição extra;
  • Expor um mix de produtos de limpeza facial e hidratantes próximos às gôndolas em que estejam os protetores no verão;
  • Incentivar os vendedores para tratarem o assunto de forma educativa, explicando os benefícios do uso durante o ano todo.

Fontes: marketing grouper Skin Care da NIVEA, Marcela Faconti; e o gerente de trade e e-commerce da Divisão Cosmética Ativa da L’Oréal, Rodrigo Fraga

Segundo o gerente de trade e e-commerce da Divisão Cosmética Ativa da L’Oréal, Rodrigo Fraga, existem dois tipos de protetor solar: o químico e o físico. O mais conhecido pelos consumidores é o químico, que possui moléculas que absorvem a radiação ultravioleta, criando uma proteção química na camada cutânea, reagindo com a radiação solar e impedindo sua penetração na pele.

Já o protetor físico é composto por minerais como dióxido de titânio e óxido de zinco, que ficam sobre a pele sem serem absorvidos. Com esta cobertura, os raios batem e são refletidos pelo filtro, auxiliando na prevenção do fotoenvelhecimento. Ele é ideal para crianças, pessoas alérgicas ou gestantes, pois sua formulação não se funde com a pele.

O mercado brasileiro, segundo Marcela, possui diversas apresentações, variando de acordo com a região foco (corporal ou facial), o tamanho da embalagem, o FPS e o benefício. Algumas das preferências são:

  • Para uso facial: deve proteger contra os raios ultravioleta UVA e UVB, ter textura não oleosa, controlar o brilho e prevenir o envelhecimento da pele, além de opções com efeito base, para ser usado diariamente antes da maquiagem;
  • Para uso corporal: deve oferecer hidratação prolongada e ser resistente à água, além de ter fórmula livre de óleos;
  • Para bronzeado natural: há os protetores com betacaroteno em sua fórmula, que ajudam a conquistar um bronzeado duradouro sem abrir mão da proteção;
  • Para crianças: fórmulas que promovam alta proteção contra os raios ultravioleta UVA e UVB, de forma imediata, sejam muito resistentes à água e não contenham perfumes, corantes e conservantes.

A importância do canal farma

De acordo com o gerente da L’Oréal, a categoria de proteção solar representa 26% do mercado de dermocosméticos. “A farmácia, hoje, é o local onde o consumidor encontra facilmente um mix completo de produtos, o que inclui aqueles destinados à proteção solar, com as marcas mais importantes do mercado, além de tamanhos, tipos e preços variados.”

A categoria de proteção solar também auxilia na saída de outros produtos, como hidratantes, água termal e pós-sol, pois o consumidor tem a facilidade de encontrar todos os itens em um mesmo local.

Exatamente por isso, a exposição faz toda a diferença na hora de conquistar o consumidor para que ele compre mais. Marcela explica que a gôndola de protetor solar se expande e é muito importante manter o racional de exposição correto.

Ranking top 10


Fonte: IQVIA, auditoria de mercado PM Mix, base de Out./18, métrica em unidades de consumo, total Brasil, em anos móveis (acumulado de 12 meses). NEC considerada: 83F – Protetor Solar

“Com a entrada de uma nova estação, é necessário modificar o layout da loja, deixando-a mais atraente e específica para o período, sendo interessante ainda dedicar espaço aos produtos sazonais. A exposição deve ser feita por marca, para facilitar a identificação pelo cliente. A farmácia deve organizar as gôndolas de acordo com o espaço físico da loja, levando em consideração as especificações de cada produto, assim como as indicações: área do corpo (rosto ou corpo), FPS, público (infantil, adulto) e multifuncionalidade, além do valor. É interessante que estes produtos estejam expostos em locais de alto fluxo, por meio de pontos extras para facilitar a lembrança e a decisão de compra da categoria”, complementa Fraga.

Outra boa estratégia é expor junto ao massivo ou no balcão de medicamento. Há consumidores que chegam em busca de produtos de sua marca de preferência e já vão direto a esses itens. Mas há também aqueles que precisam de uma consultoria no local para entender quais os produtos mais adequados para seu tipo de pele. Por isso, ter alguém com este conhecimento na loja pode ser um grande facilitador de venda de protetores no verão. Além disso, é importante contextualizar a dupla exposição em categorias com maior aderência, por exemplo, colocando protetores solares infantis na seção infantil.

Foto: Shutterstock

Jogo do Atendimento

Edição 323 - 2019-10-10 Jogo do Atendimento

Essa matéria faz parte da Edição 323 da Revista Guia da Farmácia.