Quando ir ao banheiro passa a ser um problema

Apesar de normalmente não parecer ser tão grave, a proliferação de microrganismos no trato urinário pode ser incômoda e, se não tratada, causar problemas mais sérios como uma infecção generalizada

Vontade intensa de ir ao banheiro, ardência e dor ao urinar são dois dos principais indicativos de uma doença comum principalmente às mulheres: a infecção urinária. O problema pode ocorrer em qualquer parte do sistema urinário, ser recorrente ou não, complicada ou sem perigo, dependendo do organismo de cada um.

O incômodo pode ocorrer desde a uretra até os rins, passando pela bexiga e pelos testículos e próstata, no caso dos homens. O urologista do Hospital Sírio-Libanês, Dr. Flavio Trigo, comenta que a infecção normalmente começa de baixo para cima, na uretra e na bexiga, mais comumente chamada de cistite. Se acometer os rins (infecção alta), passa a se chamar pielonefrite, um quadro mais grave da patologia.

De acordo com o urologista do Hospital 9 de Julho, Dr. Flávio Arêas, a infecção urinária é uma resposta inflamatória na via urinária que pode ser causada por agentes microbianos (bactérias, vírus, fungos ou outros parasitas). O problema acontece principalmente devido a um desequilíbrio entre os mecanismos de defesa do hospedeiro e os fatores de virulência (agressividade) dos agentes microbianos.

“As infecções urinárias têm início com a colonização do meato uretral por uropatógenos da flora fecal, seguida de ascensão pela uretra até atingir a bexiga. Elas acontecem quando há ‘invasão’ do trato urinário por microrganismos que ascenderam via uretra (na maior parte das vezes) e o sistema imunológico foi insuficiente para lidar com o agente (pela virulência, tamanho do inóculo, entre outros)”, completa a infectologista do Hospital Santa Catarina, Dra. Glaucia Varkulja.

Sintomas como dor e/ou ardor para urinar, peso na bexiga, sensação de urgência e/ou dificuldade para urinar e micções frequentes com pouco volume estão mais associados às cistites. Já quadros mais sistêmicos, com febre, bacteremias, calafrios, dores nas costas, por vezes náuseas e vômitos, podem acompanhar quadros de infecção do trato urinário alto.

Maiores incidências

Segundo o Dr. Trigo, o problema das mulheres é anatômico. Como elas possuem a uretra mais curta, é mais fácil a bactéria entrar na bexiga em comparação com o corpo masculino. Outro impulsionador é o fato de a vagina e o ânus estarem mais próximos, favorecendo essas contaminações.

“Crianças do sexo masculino, nos primeiros dois a três meses de vida, apresentam maior suscetibilidade às infecções. Após este período, o sexo feminino é bem mais acometido, principalmente após a puberdade e o início da vida sexual. As mulheres adultas têm pelo menos 50% de chance de ter uma infecção urinária durante a vida”, explica o Dr. Arêas.

Com o avançar da idade, aumentam as chances de infecção do trato urinário nos dois grupos: nos homens por doença prostática (impactos no fluxo de urina) e nas mulheres pela menopausa (redução de estrogênio com impacto na flora vaginal inóspita a bactérias hostis).

A Dra. Glaucia cita ainda outros grupos que podem ser considerados de risco: pacientes com anormalidades dos rins e do trato urinário; com obstrução urinária, seja por fatores anatômicos, neurológicos ou funcionais; recém-nascidos pré-termos (pela prematuridade – impacto na resposta imunológica e também por necessidade de procedimentos invasivos que aumentam o risco).

Além disso, grávidas sofrem alterações fisiológicas e anatomofuncionais e apresentam, em média, 5% a mais de chance de ter uma infecção urinária. A população geriátrica (maior de 60 anos de idade) também pode ser mais acometida devido a alterações anatômicas e funcionais, incontinência urinária e coexistência de outras doenças.

Contra a dor

A prevenção é o melhor caminho para que o paciente não sofra. Um dos hábitos mais importantes é o de beber bastante água, para lavar a uretra. O ideal é que a pessoa urine ao menos quatro vezes ao dia com um bom volume (urina clara e límpida).

“Para prevenir a infecção, é necessário diminuir a quantidade de bactérias na região: ter uma boa higiene íntima, beber bastante água e o intestino tem que funcionar bem todo dia. Como a bactéria mais comum está presente no intestino de todos, ir ao banheiro com uma boa frequência faz com que ela seja ‘jogada fora’. Tanto a constipação quanto o quadro diarreico podem piorar o problema”, comenta o urologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Dr. Cesar Nardy Zillo.

Segundo ele, não é indicado o uso de absorventes diários, para que a região íntima possa “respirar”. Ter uma boa higiene íntima antes de relações sexuais, ter lubrificação (para não causar microtraumas na uretra) e urinar após a relação também são maneiras de prevenir a doença.

Antibiótico em ação

Como a maior parte dos pacientes é acometida por bactérias, o tratamento deve ser feito com antibióticos. Eles agem, basicamente, de cinco maneiras:

  • Inibindo a duplicação do cromossomo (a célula não se reproduz);
  • Inibindo a atuação de enzimas que produzem substâncias essenciais ao organismo;
  • Causando danos à membrana plasmática (lise da célula);
  • Inibindo a síntese de proteínas;
  • Inibindo a síntese da parede celular.

Fonte: urologista do Hospital 9 de Julho, Dr. Flávio Arêas

Tão importante quanto é o cuidado do sistema imune. O urologista do Hospital 9 de Julho diz que, principalmente durante períodos no qual o corpo ou a mente forem mais exigidos, é essencial ter uma alimentação saudável, dormir bem e, se preciso, usar suplementos vitamínicos como vitamina C e cranberry.

“O uso de antibiótico profilático pode ser necessário em algumas situações, assim como a correção das anormalidades detectadas no trato urinário. O paciente deve sempre buscar orientação médica quando houver sintomas”, ressalta a infectologista do Hospital Santa Catarina.

A busca por um médico não é à toa. O tratamento da infecção urinária deve ser feito com antibióticos, que só podem ser prescritos por especialistas. Em primeiro lugar, é feito um exame de urina com urocultura e antibiograma. Dessa forma, é possível identificar o agente causador e, então, escolher o melhor medicamento.

Nos casos de cistite e naqueles não tão graves, o tratamento é feito com antibióticos durante três dias ou com dose única, explica o Dr. Zillo. Porém, no caso de infecções mais graves, como as que acometem os rins, o tratamento pode durar até 14 dias.

“Alguns exames específicos ajudam a investigar a causa da doença, principalmente quando ela é recorrente. É importante que a bacteriúria assintomática (presença de bactérias na urina, porém sem sintomas) não seja tratada, salvo em situações bem específicas, como na gestação, em pacientes que serão submetidos à manipulação do trato urinário e em alguns poucos quadros de imunossupressão”, alerta a Dra. Glaucia.

A orientação do tratamento é primordial. Se a infecção urinária não for tratada corretamente, pode tornar-se recorrente ou de repetição, causando transtornos à vida profissional, emocional e sexual do paciente. Além disso, principalmente em infecções do trato alto, a doença pode ganhar mais facilmente a corrente sanguínea, levando à bacteremia e sepse urinária, podendo causar consequências sérias.

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print
Aceita app?

Edição 312 - 2018-11-01 Aceita app?

Essa matéria faz parte da Edição 312 da Revista Guia da Farmácia.