fbpx

Estresse e ansiedade

A modernidade traz inúmeros desafios na vida das pessoas. isso pode causar males que precisam de atenção e tratamento para que as tarefas rotineiras não sejam incapacitadas

Trânsito, rotina, trabalho, transporte público, família, filhos… a lista dos fatores que provocam o estresse e a ansiedade é quase infinita, e muitos deles advindos da vida moderna, como não desligar o celular, levar trabalho para casa e negligenciar o lazer; difícil encontrar quem não se encaixa em uma destas situações.

Ao contrário do que se possa pensar, a ansiedade é uma reação natural e indispensável ao ser humano, que pode ser definida como um estado de tensão ou expectativa, que existe entre o presente e o futuro. Pode surgir da percepção de que se está em perigo, de ser ameaçado. 

De acordo com o médico psiquiatra e pesquisador do Grupo de Estudos de Doença Afetivas (Gruda) do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), Dr. Diego Tavares, a ansiedade é um jeito de o cérebro funcionar, preparando o indivíduo para lidar com uma situação muito nova (desconhecida) ou uma que ele espera muito que aconteça. “Não é uma doença, pois prepara o psiquismo e o corpo para enfrentar a situação (luta) ou fugir dela, caso esta não seja agradável (fuga).”

Os transtornos de ansiedade são alterações na forma de funcionar desse centro do cérebro que faz com que os sintomas da ansiedade fisiológica aconteçam, porém de maneira intensa e fora de contexto, atrapalhando o indivíduo ao invés de ajudá-lo e, por isso, é um transtorno psiquiátrico. 

“Ansiedade fisiológica ajuda a pessoa a lutar e enfrentar um problema difícil, ansiedade doença faz a pessoa sucumbir frente a um problema que nem é tão difícil assim, em virtude do medo que o cérebro produz, exacerbando a situação e atrapalhando a pessoa de pensar e de conseguir enfrentá-la”, esclarece o Dr. Tavares.

Casos de estresse

Poluição, violência urbana, trânsito, clima, filas, lugares cheios, relações de trabalho e sociais, entre outros, são alguns dos fatores que levam a situações de estresse. 

De acordo com pesquisadores da Harvard Medical School (EUA), entre 60% a 90% de todas as consultas médicas no mundo são devidas às doenças ligadas ao estresse. 

A informação é do psicólogo clínico e coordenador do Programa de Avaliação do Estresse do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, Dr. Armando Ribeiro. Ainda segundo o especialista, no Brasil, a prevalência do estresse na população economicamente ativa varia entre 32% e 70%.

Podendo estar ligado ou não a casos de ansiedade, o estresse acontece quando o excesso de atividades (e a quantidade de problemas) sobrecarrega não apenas o físico, mas também o estado mental da pessoa. “Assim como a ansiedade, pode ser caracterizado como um transtorno quando associado a prejuízos importantes que impactam a qualidade de vida, as relações, o trabalho e o cotidiano das pessoas”, revela o psiquiatra do Hospital Israelita Albert Einstein, Dr. Daniel de Sousa Filho. 

Sinais agudos de estresse, diz o especialista, estão incluídos na Classificação Internacional das Doenças em sua décima revisão (CID-10), como reações ao estresse grave e a transtornos de adaptação.

“O estresse é uma reação psicofisiológica natural frente ao esforço de adaptação das adversidades. É um problema que afeta a todos, mas pode ter fontes ambientais, sociais ou até mesmo ser resultado de doenças. No Brasil, cerca de 60% da população adulta lida com o estresse, sendo que mulheres têm cerca de duas vezes mais chances de apresentar quadros de estresse e as crianças também são vulneráveis, principalmente quando são criadas por famílias estressadas. É um círculo vicioso, crianças aprendem a lidar com o estresse por meio dos modelos familiares”, diz o Dr. Ribeiro.

Terapias naturais

O tratamento para ansiedade e estresse, de acordo com o médico psiquiatra, doutor em Medicina pela Universidade de Würzburg, Alemanha e membro filiado do Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, Prof. Dr. Mario Louzã, depende do tipo de transtorno de ansiedade que a pessoa apresenta. De modo geral, são utilizados os antidepressivos inibidores seletivos de recaptação da serotonina. Por um tempo curto, podem ser utilizados também os ansiolíticos. Além da medicação, está indicada a psicoterapia para controle dos sintomas mais a longo prazo.

Entre os diversos tratamentos para ansiedade, destacam-se os fitoterápicos, para combate a quadros de ansiedade leve a moderada e para tratamento da insônia. A passiflora é um dos principais recursos fitoterápicos para ansiedade leve à moderada e irritabilidade, com um mecanismo de ação semelhante às drogas sintéticas mais potentes, como o diazepam e clonazepam, mas sem os riscos de dependência destas últimas, que são substâncias controladas. Valeriana, a kava-kava e a camomila são plantas que também podem ser utilizadas para o tratamento da ansiedade e da insônia.

“Quando falamos em fitoterápicos, é importante saber que as ervas diferem dos produtos utilizados na medicina chamada alopática, porque ao invés de conter apenas uma ou duas substâncias específicas, eles contêm um grupo de ativos, denominado de complexo fitoterápico. Esse complexo pode ter quantidades diferentes das substâncias que o constituem, dependendo do terreno de origem, da forma de cultivo, da época do ano em que foi colhida, etc. Assim sendo, a mesma erva pode se comportar de maneira diferente no organismo humano, dependendo do teor dos seus constituintes. Para evitar que isso aconteça, foi desenvolvido o conceito de padronização do extrato da erva. Essa padronização consiste em dosar o componente principal do extrato para garantir que os lotes produzidos tenham sempre o mesmo teor do componente eleito como mais importante”, avalia a neurologista e conselheira para área médico-científica do Herbarium Laboratório Botânico, Dra. Jackeline Barbosa.

Tendo isso em mente, é importante que o consumidor opte pela utilização de produtos oriundos de fabricantes tradicionais que garantem a qualidade dos fitoterápicos por eles produzidos.

Já o medicamento homeopático apresenta ótimos resultados e não ocasiona efeitos colaterais adversos, como destaca a diretora farmacêutica da Boiron Brasil, Maria Isabel de Almeida Prado. Ele está disponível em farmácias de manipulação e em redes de drogarias convencionais, à disposição da população como mais uma opção dentro de um arsenal terapêutico. 

Autor: Adriana Bruno e Vivian Lourenço

Estrada do crescimento

Edição 290 - 2017-01-01 Estrada do crescimento

Essa matéria faz parte da Edição 290 da Revista Guia da Farmácia.

Deixe um comentário