fbpx

Transtorno depressivo na adolescência

Patologia apresenta-se como uma das que mais incidem em adolescentes, devendo ser devidamente diagnosticada e tratada

O transtorno depressivo se caracteriza como uma patologia clínica que acomete indivíduos de qualquer faixa etária, produzindo danos psicológicos e acometendo as múltiplas funções do organismo (Bahls, 2002).

Segundo a American Psychiatric Association (APA), por intermédio do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV), os sintomas básicos de um episódio depressivo em adolescentes (idade a partir dos doze anos) são: instabilidade, humor deprimido, desmotivação, prejuízo no desempenho escolar, baixa autoestima, ideias ou tentativas de suicídio, entre outros problemas (Kazdin e Marciano, 1998).

Para tanto, o tratamento adequado surge como referencial buscado para recuperação da saúde e diminuição da disfunção causada pelos episódios agudos da doença, prevenindo sua recorrência. Posto isso, identificados os fatores precipitantes, o tratamento abarcará o uso de medicamentos, enfoque biopsicossocial, avaliação e terapia, planejamento educacional e treinamento de habilidades escolares (Scivoletto et al, 2003).

No âmbito farmacêutico, o tratamento para depressão encontra respaldo em medicamentos específicos para esse fim, com o fito de atingir a remissão (melhora dos sintomas), sendo que, “atualmente, podemos dividi-los de acordo com o mecanismo de ação proposto, aumentando a eficiência sináptica da transmissão monoaminérgica. Medicamentos antidepressivos produzem aumento na concentração de neurotransmissores na fenda sináptica através da inibição do metabolismo, bloqueio de recaptura neuronal ou atuação em autorreceptores pré-sinápticos (Bezchlibnyk-Butler KZ et al, 1999; Moreno et al, 1999).”

Ante o exposto, vêm à tona o papel do farmacêutico, que atua principalmente no varejo e que no plano concreto possui visão completa e crítica em relação aos medicamentos utilizados no tratamento dessa patologia. Esse profissional conseguirá avaliar, de forma específica para cada pessoa, a eficácia de um fármaco, e atuar, juntamente ao contexto social, psicológico e médico, para alcançar os melhores resultados possíveis, atingindo os objetivos principais do tratamento: o desenvolvimento correto do adolescente, a garantia da saúde e da qualidade de vida.

Foto: Shutterstock

Contra o tabagismo

Edição 309 - 2018-08-01 Contra o tabagismo

Essa matéria faz parte da Edição 309 da Revista Guia da Farmácia.

Sobre o colunista

Bruno Pasti Viana