Medicamento contra artrite será testado no combate à Covid-19

A pesquisa analisa se o medicamento Baricitinibe reduz a gravidade e o número de mortes relacionadas à Covid-19

O Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) começou, nesta semana, a participar de um estudo que ocorrerá em várias cidades do Brasil e do mundo para averiguar o efeito de um remédio usado contra artrite reumatoide no tratamento de pacientes hospitalizados com coronavírus.

A pesquisa analisa se o medicamento Baricitinibe reduz a gravidade e o número de mortes relacionadas à Covid-19. Serão tratados pacientes com quadro grave de coronavírus que não usem ventilação mecânica e que tenham ao menos um marcador inflamatório acima do normal.

Na América Latina, Estados Unidos e Europa, serão 500 voluntários,de acordo com a farmacêutica norte-americana Eli Lilly, responsável pelo estudo. No Brasil, a expectativa é avaliar os efeitos em 84 voluntários espalhados pelo Clínicas de Porto Alegre e em hospitais de São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Norte.

Medicamento para artrite

O medicamento, uma pílula de uso oral, é usado no tratamento de casos moderados e graves de artrite reumatoide, uma doença autoimune que causa inflamações nas juntas e que pode levar à perda de mobilidade e deformidade sobretudo das mãos. O uso do medicamento para esse fim ocorre no Brasil desde novembro de 2018, quando foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).Agora, médicos investigam se a droga também pode ser usada contra casos graves de coronavírus. A Anvisa confirmou a Zero Hora que autorizou o uso do remédio para a pesquisa.

Médicos avaliam que o coronavírus desperta uma reação semelhante à artrite e outras doenças autoimunes: uma resposta inflamatória exagerada, explica a médica infectologista do Hospital das Clínicas de São Paulo e coordenadora do estudo no Brasil, Cristhieni Rodrigues:

– Bloquear esse processo é superimportante, e é para isso que esse medicamento está sendo estudado.

Em nota, o Clínicas de Porto Alegre afirmou que recebeu, até agora, propostas para mais de cem pesquisas relacionadas à pandemia e que 10% são para possíveis tratamentos para o coronavírus. No momento, oito estudos estão aprovados para serem feitos na instituição. “Um destes se refere ao Baricitinibe, que foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do hospital neste mês e está em fase de recrutamento”, diz o texto.

Foto: Shutterstock

Fonte: Zero Hora

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário