Destaques & lançamentos

Mercado farmacêutico deve crescer 12% este ano e 10% em 2023

Os cálculos da IQVIA indicam um crescimento do mercado farmacêutico geral (varejo e canal institucional) de 12,5% este ano e 10,5% no próximo, em valores

As projeções de desempenho do mercado farmacêutico no Brasil neste e no próximo ano são boas, segundo os dados apresentados no Fórum Expectativas 2023, realizado pelo Sindusfarma nesta quinta-feira (30). E as empresas do setor preveem que a situação econômica vai melhorar no próximo ano: 57% estão otimistas sobre a recuperação dos empregos e o crescimento da economia no país.

Os cálculos da IQVIA indicam um crescimento do mercado farmacêutico geral (varejo e canal institucional) de 12,5% este ano e 10,5% no próximo, em valores. “São taxas de crescimento positivas; poucos países têm esse desempenho”, disse Sydney Clark, vice-presidente da consultoria.

No varejo, o crescimento estimado é de 11,8% este ano e 9,8% no próximo. No canal institucional, crescimento de 13,5% este ano e 11,4% no próximo, excluídas as vacinas contra a Covid-19. Segundo a IQVIA, as compras públicas estão em queda devido ao subfinanciamento do SUS, mas as vendas para clínicas e hospitais privados crescem (5,2% até abril) e podem aumentar 15% no próximo ano.

Crescimento do mercado farmacêutico

A pesquisa “Benchmarking de Expectativas da Indústria Farmacêutica 2022-2023”, realizada pelo Sindusfarma, apurou que as empresas do setor estimam um crescimento no varejo (Retail), de 12,86% este ano e 12,41%, no próximo ano, em valores. No mercado institucional (Non Retail), as projeções são de crescimento de 10,15% este ano e 9,37% no ano que vem, em valores. A pesquisa foi apresentada por Fábio Moreira, consultor da entidade.

Ao mesmo tempo, o índice de confiança do consumidor brasileiro está em nível muito baixo, de acordo com pesquisa da Ipsos: 79% dos entrevistados classificam como “ruim” tanto a economia do país quanto a situação financeira pessoal. E 74% acreditam que o Brasil está no “rumo errado”. “É um cenário tenso, nervoso”, disse Marcos Calliari, CEO do instituto.

Esse pessimismo dos brasileiros também foi analisado pelo cientista político Carlos Melo – segundo ele, um “desamparo econômico” que foi ficando evidente a partir de 2010.

Revolução tecnológica

Para o professor do Insper, a atual crise do país é também internacional e decorre da revolução tecnológica e suas consequências sociais profundas em todo o mundo, para as quais a política não conseguiu oferecer soluções. “É a pior crise de liderança da história brasileira”, afirmou Melo. E complementou: [No Brasil] temos grandes dificuldades de olhar para o futuro”, citando como exemplo oposto o setor farmacêutico – “[essa]indústria altamente sofisticada que salvou o mundo nessa pandemia”.

A demanda crescente de medicamentos no país como resultado da pandemia de Covid-19, especialmente dos produtos para o tratamento de doenças crônicas como diabetes e moléstias cardiovasculares, foi apontada por Clark. “Essa situação deve se perpetuar; a população brasileira entendeu a necessidade de se cuidar melhor”.

Ele também destacou o avanço das vendas on-line de medicamentos. A participação desse canal saltou de 2,5%, antes da pandemia, para 7,9% atualmente. “O canal on-line vai se tornar cada vez mais relevante”, disse.

Importância da saúde física e mental

Se as pessoas estão às voltas com incertezas e preocupações sobre seu futuro, a pesquisa global da Ipsos sobre as perspectivas de vida pela ótica individual revela a grande contribuição que a indústria farmacêutica pode dar para reverter essa situação. O estudo constatou que as pessoas consideram a saúde física e mental como o principal fator de felicidade e que dentre as metas mais valorizadas estão as “escolhas pessoais sobre saúde” e a “saúde consciente”, informou Calliari.

Já o atraso na área educacional foi destacado por Melo ao abordar o déficit de políticas públicas no país. Segundo ele, nas últimas décadas, o sistema educacional brasileiro não preparou as pessoas para o futuro e agora o mundo digital impõe novos desafios. “Aprender a aprender” é um deles, somado, no Brasil, à necessidade de redefinir do zero o modelo e os métodos de ensino e dar assistência às famílias. “A gestão da escola é tão importante quanto a sala de aula”, afirmou o professor do Insper.

O presidente executivo do Sindusfarma, Nelson Mussolini, falou na abertura e no encerramento do Fórum, que contou com o apoio da Anahp.

Foto: Shutterstock

Fonte: Sindusfarma 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário