Ministério da Saúde investe R$ 20 milhões em inovação na produção de fármacos e biofármacos

Parceria com a Embrapii contribuirá para o fim da dependência externa na produção de medicamentos ao SUS

Mais inovação e independência na produção de medicamentos como fármacos e  biofármacos para o Sistema Único de Saúde (SUS) serão incentivadas por uma parceria entre o Ministério da Saúde (MS)e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

Com o investimento de R$ 20 milhões, serão credenciados quatro novos grupos de pesquisa para o desenvolvimento nacional de fármacos e biofármacos realizados em parceria com a indústria.

Por meio de uma chamada pública lançada em cerimônia na última quarta-feira (21), os grupos de pesquisa selecionados serão credenciados, então, como Unidades Embrapii.

E, dessa maneira, poderão também inovar com as empresas do setor farmoquímico.

Dessa maneira, a iniciativa deve alavancar recursos privados em inovação, uma vez que o modelo de atuação prevê o investimento do setor empresarial.

Todavia, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, destacou a importância de desenvolver uma indústria flexível e também  autônoma de pressões externas para gerar soluções brasileiras na área.

De acordo com ele, o Brasil passou, então, a importar mais produtos de saúde nos últimos anos.

O valor aumentou 10%. Foi de US$ 12,3 bilhões em 2015 para US$ 13,7 bilhões em 2020.

“Temos que desenvolver no Brasil um forte complexo industrial de saúde. O nosso país deu um passo gigante ao criar o Sistema Único de Saúde (SUS) em 1988. Trata-se do maior sistema de acesso universal, integral e gratuito do mundo e isso não pode existir sem que tenhamos um desenvolvimento do complexo de indústrias que produzam insumos de saúde”, disse Queiroga.

A ação é estratégica para o Ministério que investe fortemente em pesquisa e tecnologia em áreas fundamentais do sistema de saúde.

Independência industrial

O ministro Queiroga reforçou que esta é a orientação do presidente Jair Bolsonaro: ser independente, gerar emprego e renda.

“Nosso objetivo é que o Brasil se consolide como um grande líder nas Américas e no mundo. Reforço o compromisso perene do Ministério com o investimento na pesquisa e o fortalecimento do SUS”, disse.

Na cerimônia, o secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde (SCTIE), Hélio Angotti, ressaltou que o SUS é dinâmico e que por isso segue em busca de aprimoramento.

“Os investimentos em saúde e pesquisa seguem fortes no Brasil por intermédio dos Ministérios e são uma prioridade para o nosso governo. A crise nos força a buscar inovações e transformações. Nessa busca, nunca é demais reforçar a importância do nosso complexo de indústrias que geram emprego e renda”, afirmou.

Para se inscreverem na seleção da produção de fármacos e biofármacos, os grupos devem atuar em pelo menos uma das seguintes áreas:

  • Descoberta de novas moléculas e princípios ativos, desenvolvimento de IFA, biologia molecular aplicada a produtos terapêuticos.
  • Anticorpos monoclonais, proteínas terapêuticas.
  • Kits diagnósticos..
  • Sistemas de liberação controlada de fármacos.
  • Implantes incorporados com fármacos.
  • Manufatura aditiva de produtos para saúde incorporados com fármacos.
  • Ensaios pré-clínicos.
  • Ensaios clínicos fase I.
  • Produção de hemoderivados.

Anvisa aprova primeiro genérico para controle e prevenção de asma brônquica, bronquite crônica e enfisema 

Fonte: Ministério da Saúde

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário