Mitos e verdades sobre o uso e a interação dos medicamentos

Confira os cuidados que devem ser tomados durante o uso de remédios e o que é contraindicado

A questão da correta interação dos medicamentos vira e mexe entra em questão. Tomar o remédio com leite faz mal? O consumo de bebida alcoólica corta o efeito de antibióticos? Deixar o comprimido exposto faz com que ele perca a eficácia? Um medicamento pode interferir no efeito de outro?

Dessa maneira, então, em primeiro lugar, deve-se levar em consideração a importância de seguir a recomendação médica e farmacêutica para que o medicamento exerça o efeito nos sintomas ou doença que o paciente foi avaliado.

Desse modo, há remédios que devem ser tomados de 6 em 6 horas, como os analgésicos, outros de 8 em 8 horas, como anti-inflamatório, alguns de 12 e 12 horas, a exemplo dos antimicrobianos, ou 1 vez ao dia, como os antidiabéticos.

Há ainda medicamentos doses únicas, sendo uma vez na semana ou no mês.

“Outra condição importante, além de seguir os intervalos entre as administrações é respeitar o período, como se deve ser administrado. De manhã ou a noite, durante a refeição e se tem alguma condição especial, como ingerir com suco ácido, com alimentos gordurosos, entre outras”, afirma a docente do curso Técnico em Farmácia do Senac São Paulo, Claudia Caresatto.

Não tomar o remédio no horário indicado ou esquecer uma dose e duplicar na seguinte, são situações que devem ser evitadas, pois influenciam no tratamento, causam mal à saúde e, em algumas situações, podem causar intoxicação.

“Cada medicamento foi estudado para ser administrado em um intervalo específico, mas não são todos que perdem a eficácia, no entanto, alguns podem ter o efeito farmacológico alterado”, explica André Luiz Alves Brandão, docente do curso Técnico em Farmácia do Senac São Paulo.

Confira alguns mitos e verdades sobre a ingestão dos medicamentos e orientações para o tratamento correto:

Medicamento com leite

A maioria dos medicamentos de uso oral devem ser ingeridos apenas com água, no entanto, é importante seguir as orientações do médico ou farmacêutico.

Além de outras informações importantes como se o medicamento deve ser tomado após as refeições ou com estômago vazio para não influenciar na absorção e, consequentemente, na eficácia.

Isso também pode ser conferido na bula.

O uso do leite pode alterar o efeito do medicamento, como no caso de antimicrobianos, por exemplo, que tem a ação inativada pois ocorre uma interação de complexação.

Mas há remédios que devem ser ingeridos com outros líquidos a exemplo de alguns antifúngicos, que têm melhor absorção quando ingerido com sucos ácidos ou administrado com alimentos gordurosos.

Medicamento X bebida alcoólica

Deve ser evitado a ingestão de bebidas alcoólicas durante o tratamento ou uso de medicamentos.

É importante, então, que o paciente questione o médico sobre a necessidade ou não de abstinência total do álcool.

A interação do álcool com medicamentos de uso crônico como os ansiolíticos, por exemplo, intensifica efeitos como sonolência, pois tanto álcool etílico e ansiolíticos deprimem o Sistema Nervoso Central (SNC).

Medicamento X chás medicinais

O uso de medicamentos e chás medicinais devem ser feitos com cautela, pois muitos podem interagir com o medicamento diminuindo ou aumentando o seu efeito ou promovendo reação adversa.

Para exemplificar, se uma pessoa tem propensão a hemorragia, essa reação pode ocorrer ao tomar o medicamento ácido acetilsalicílico com chá de camomila.

Então é importante lembrar que o dito popular “por que é natural, não faz mal” não é verdadeiro.

Sendo assim, portanto, a pessoa precisa informar ao médico ou ao farmacêutico se faz uso de chás medicinais e quais são eles para que seja avaliado se pode continuar ou se será necessário suspender o consumo até finalizar o tratamento.

Interação dos medicamentos

No entanto, algumas pessoas precisam utilizar vários medicamentos diferentes ao mesmo tempo, especialmente os idosos que são portadores de doenças crônicas, como diabetes, pressão alta ou baixa, doença renal, entre outros.

O uso de vários medicamentos pode ocasionar interações medicamentosas, ou seja, um medicamento afeta o efeito do outro, podendo aumentar ou diminuir a eficácia ou até mesmo anular o efeito, além de aumentar a chance de ter reações adversas ou intoxicações.

Por isso, então, é importante sempre conversar com o médico ou com o farmacêutico e não usar medicamentos por conta própria no caso de já fazer uso de outros.

As interações medicamentosas podem ser classificadas como leve, moderada e graves.

A grande preocupação está relacionada nas interações graves, com potencial de danos permanentes e até mesmo podendo ocasionar óbito.

Cuidados que devem ser tomados:

  • A compra de medicamentos deve ser feita apenas em farmácias e drogarias que são empresas autorizadas pela vigilância sanitária municipal (CMVS) e têm autorização de funcionamento especial (AFE) expedida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa);
  • Nunca use medicamentos com tarja sem prescrição médica;
  • Nunca mude a via de administração;
  • Evite retirar o medicamento da embalagem primária (a que fica diretamente em contato com o produto) para que sua qualidade, estabilidade e ação não sejam comprometidas;
  • Não coloque medicamentos comprimidos, cápsulas e drágeas diretamente sobre pia, mesas, bancadas ou outros locais, para que não sejam contaminados. Da mesma forma, não tome medicamentos líquidos encostando a boca no frasco do produto, sempre utilize o copo ou colher dosadora. Após cada dose, lavar com água e sabão, secar e guardar até a próxima tomada;
  • Caso não entenda o modo de usar o medicamento (posologia) e/ou tiver alguma dúvida ou reações adversas, procure o médico ou farmacêutico;
  • Não dê para crianças o mesmo medicamento e a mesma quantidade que você utiliza. Leia na embalagem e na bula se o medicamento também é de uso infantil e qual é a dose recomendada para as crianças;
  • Não usar medicamentos que apresentem alteração de aspecto, cor e odor ou que tenham algum corpo estranho na embalagem. Nesse caso, entre em contato com a farmácia ou drogaria ou ainda com a indústria fabricante pelo SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente), informação presente na embalagem do produto;
  • Nunca corte um comprimido que é revestido, pois isso pode fazer com que perca o efeito;
  • Deve-se ter especial atenção ao usar medicamentos líquidos em relação à dose, use a quantidade de gotas recomendada, não substitua a colher-medida, conta-gotas ou outro dispositivo que acompanha o medicamento;
  • Não descartar medicamentos vencidos ou fora de uso no lixo, na pia ou no vaso sanitário. Procure uma farmácia ou drogaria que faz o recolhimento desse resíduo para que possa ser realizado o descarte ambientalmente correto.
  • Nunca reaproveite frascos usados de medicamentos para colocar outros líquidos.

Armazenamento correto

A maioria dos medicamentos devem ser armazenados em temperatura ambiente entre 15ºC e 30ºC e protegidos da luz e da umidade, conforme informações presentes nas embalagens. Há alguns que são termossensíveis (termolábeis), como a insulina, e devem ser armazenados em temperatura entre 2 e 8ºC. Portanto, precisam ser guardados na geladeira, mas não devem ser colocados na porta, próximo ao congelador ou na gaveta da parte debaixo, pois a temperatura interna oscila nessas regiões, o melhor local é nas prateleiras do centro.

Medicamentos homeopáticos também apresentam condições específicas de armazenamento e não podem ficar próximos a computador, televisão, celular e outros eletrodomésticos ou eletroeletrônicos que transmitem energia, nem próximos a produtos perfumados e que contém cânfora.

Álcool e antibiótico é prejudicial à saúde? Efeitos e orientações 

Fonte:

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário