Mitos e verdades sobre vitamina D e a Covid-19 no Brasil e no exterior

Pesquisa brasileira investiga nível de vitamina D em 200 pacientes idosos, internados por Covid-19, no Hospital Israelita Albert Einstein

A vitamina D, também conhecida como “vitamina do sol”, é fundamental para auxiliar na absorção de cálcio pelo organismo.

Porém, não é de hoje que diversos estudos científicos vem demonstrando sua ação positiva sobre o sistema imunológico das pessoas, principalmente contra infecções do trato respiratório, como pneumonia, tuberculose e influenza (gripe).

A partir deste histórico, pesquisadores de diversos países passaram a investigar a ação da vitamina D no combate às infecções causadas pelo novo coronavírus.

Incluindo especialistas no Brasil, para entender a atuação na prevenção ou no tratamento da Covid-19.

“Estudos tem demonstrado que a suplementação de vitamina D de longo prazo e de forma adequada parece auxiliar na prevenção de infecções respiratórias agudas de algumas populações”, afirma o professor da  Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e geriatra, Alberto Frisoli Jr.

“Já com relação à atuação na Covid-19, embora possa ter sintomas semelhantes, os mecanismos da doença ainda não são completamente conhecidos, daí o interesse científico em buscar as respostas sobre o papel dessa vitamina na pandemia”, acrescenta.

De acordo com o especialista, descobertas interessantes já foram feitas pela comunidade científica global. Frisoli Jr. conduz um estudo brasileiro, no Hospital Israelita Albert Einstein, que tem como foco a síndrome da fragilidade e o quanto os níveis de vitamina D interferem no período de hospitalização, complicações intra-hospitalares, internação em unidades de terapia intensiva e mortalidade em idosos com infecção aguda de SARS-Cov 2.

Resumo das pesquisas

  • Dupla função

De acordo com o artigo publicado pela centenária revista científica britânica The Lancet, o papel da vitamina D na resposta à infecção por Covid-19 pode ser duplo:

Apoiar a primeira defesa do organismo ao vírus, que inclui por exemplo, a produção de peptídeos antimicrobianos no epitélio (tecido) das vias respiratórias, ou seja, protegendo o organismo da invasão do vírus causador de Covid-19 e, no segundo momento, promovendo a redução da resposta inflamatória à infecção.

  • Maior risco de infecção na deficiência

Estudo desenvolvido por pesquisadores do Departamento de Medicina da Universidade de Chicago analisou 489 pacientes que fizeram teste molecular (PCR) para Covid-19.

E, assim,  apontou que aqueles com deficiência de vitamina D poderiam ter uma chance 77% maior de infecção pela Covid-19 do que os pacientes com quantidade suficiente da mesma vitamina.

Os resultados foram publicados na revista médica Journal of the American Medical Association (JAMA).

  • Estudo brasileiro 

Um estudo conduzido no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, vem investigando a relação entre os níveis séricos de vitamina D e o Covid -19 em 200 pacientes hospitalizados, com 60 anos ou mais.

A intenção é entender se a deficiência deste nutriente potencializa a ação da fragilidade.

Ou se atua de forma independente, sobre as chances do idoso com Covid-19 apresentar evolução clínica grave, de acordo com o coordenador do estudo, Alberto Frisoli Jr.

Como a vitamina D atua na saúde e na imunidade? 

Fonte: Hypera Pharma

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário