Ministério assina contrato para 10 milhões de doses da Sputnik, produção nacional será em parceria com a União Química

Cronograma prevê 400 mil doses em abril, 2 milhões em maio e 7,6 milhões em junho

Ministério da Saúde (MS) assinou nesta sexta-feira (12) contrato para compra de 10 milhões de doses da Sputnik V, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo instituto russo Gamaleya.

O anúncio do ministério ocorre um dia após governadores e prefeitos também anunciarem seus próprios acordos para fornecimento de doses.

Cronograma previsto pelo ministério:

  • 400 mil doses até o final de abril
  • 2 milhões no fim de maio
  • 7,6 milhões em junho

 

Mas a vacina não conta com aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa): os responsáveis pelo imunizante ainda precisam realizar o pedido de uso emergencial.

No entanto, para apoiar a comercialização no país, os russos firmaram parceria com a farmacêutica brasileira União Química.

De acordo com o ministério, a União Química afirmou, então, que pretende fabricar o imunizante no Brasil, em fábricas em São Paulo e no Distrito Federal.

Acordos com estados e municípios

Governadores e prefeitos também anunciaram nesta sexta-feira (12) acordos para compra da Sputnik.

O governador da Paraíba, João Azêvedo, anunciou que o Consórcio Nordeste apresentará proposta ao Fundo Soberano Russo para comprar 39,6 milhões de doses da vacina.

Em Minas Gerais, Belo Horizonte anunciou a compra de 4 milhões de doses e Betim, 1,2 milhão.

No entanto, na quinta-feira, Maricá (RJ) anunciou, então, a compra de 400 mil doses.

As compras anunciadas por governadores e prefeitos ocorrem após o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizar, então, em 23 de fevereiro, que estados e municípios comprem e distribuam vacinas contra a Covid-19.

Dessa maneira, a mesma autorização está prevista na recém sancionada lei federal 534/2021, que permite a compra por estados, municípios e pelo setor privado.

Eficácia da Sputnik

A vacina Sputnik V teve eficácia de 91,6% contra a doença, de acordo com resultados preliminares publicados na revista científica “The Lancet”, uma das mais respeitadas do mundo. A eficácia contra casos moderados e graves da doença foi de 100%.

A vacina também funcionou em idosos: uma subanálise de 2 mil adultos com mais de 60 anos mostrou eficácia de 91,8% neste grupo. Ela também foi bem tolerada nessa faixa etária.

A vacina é a quarta a ter resultados publicados em uma revista, depois de Pfizer/BioNTech, Oxford/AstraZeneca e Moderna.

Quando isso acontece, significa, portanto, que os dados foram revisados e validados por outros cientistas.

Tecnologia: vetor viral

A Sputnik V usa a tecnologia de vetor viral.

Nesse tipo de vacina, um outro vírus (nesse caso, o adenovírus) “leva” o material genético do coronavírus, o RNA, para dentro do nosso corpo.

Mas, no entanto, esse adenovírus é modificado para não conseguir se replicar (reproduzir). Por isso, ele não causa doença.

No caso da Sputnik, o adenovírus que leva o coronavírus para dentro do corpo é diferente em cada dose:

Na primeira, é o Ad26 (mesmo da vacina da Johnson). Na segunda, é o Ad5, mais comum.

Ambos são adenovírus humanos.

Contudo, os cientistas russos explicam que usar adenovírus diferentes pode ajudar a criar uma resposta imunológica mais poderosa, pois, dessa maneira, diminui o risco de o sistema imunológico desenvolver resistência ao vetor inicial.

Fonte:G1

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário