Vacinação: MS diz que vai aplicar nova leva sem reservar estoque para segunda dose

Justificativa é que agora há garantia de produção de novas doses em prazo mais curto, por isso não será preciso reservar metade

Agora, cada nova dose será aplicada a uma pessoa, sem reservar estoque metade da vacina para a segunda dose.

Essa foi a nova mudança na estratégia da vacinação contra a Covid-19 para as novas doses da vacina alteração do Ministério da Saúde (MS) informada nesta sexta-feira (19).

O MS explicou que o ritmo de chegada de novas doses vai se acelerar daqui para frente.

E assim não será mais preciso reservar metade dos imunizantes de uma leva para a segunda dose.

A leva seguinte será suficiente para isso.

A ideia é que, com a nova estratégia, a população continue tomando a segunda dose, e a vacinação se torne, então,  mais rápida.

A pasta informou também que 4,7 milhões de doses das vacinas começarão a ser distribuídas na próxima semana.

E que todos os imunizantes serão destinados para a primeira dose.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, teve uma reunião nesta sexta com representantes da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP).

Entrega das doses

De acordo com Pazuello, as doses serão entregues até o início de março.

A nova remessa de vacinas é composta, então, por 2,7 milhões de doses do Instituto Butantan (Coronavac), produzidas no Brasil, e mais 2 milhões da vacina da AstraZeneca/Oxford, importadas da Índia pela pasta.

“Vamos alterar a estratégia. Vamos mudar o modelo para autorizar a dose única da vacina do Butantan. Com isso, entramos em março com quantitativos melhores. Serão 4,7 milhões de doses e 4,7 milhões de brasileiros vacinados”, disse Pazuello.

Segunda dose da vacina sem estoque 

O ministério explicou que a segunda dose da Coronavac precisa ser aplicada em um prazo de 14 a 28 dias, conforme orientação do fabricante.

Todavia, em março, a pasta receberá mais de 21 milhões de vacinas do Butantan.

Assim, será possível aplicar a segunda dose no tempo recomendado.

Já o imunizante da AstraZeneca, conforme o ministério, tem um tempo maior de aplicação da segunda dose, com prazo de até três meses.

O laboratório deve disponibilizar, então, no próximo mês mais 18 milhões de doses, tanto produzidas na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) quanto importadas.

Professores

Pazuello também confirmou que o plano nacional de vacinação será alterado para vacinar professores no mês de março.

“Vamos fazer uma adaptação no Plano Nacional de Imunizações (PNI) para incluir os professores o mais rápido possível na vacinação, já a partir de março”, afirmou o ministro, que ainda declarou que fará o pagamento de janeiro a março de leitos de UTI.

Pfizer começa testes da vacina contra o coronavírus em mulheres grávidas 

Fonte: G1

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário