MSD solicita uso emergencial de pílula para tratar Covid-19 à Anvisa

Molnupiravir é o primeiro remédio oral desenvolvido para uso nos sintomas iniciais da infecção pelo coronavírus

A farmacêutica MSD apresentou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária(Anvisa), hoje (26), pedido de uso emergencial do antiviral contra Covid-19 molunupiravir.

A Anvisa é a quinta agência reguladora no mundo a receber a solicitação.

“Isso mostra claramente o compromisso da MSD com o Brasil e reforça a relevância do país para a companhia”, diz a farmacêutica em nota.

A saber, a droga atua prevenindo a replicação viral do SARS-CoV-2 e protege, inclusive, contra variantes como a Delta, Gama e Mu.

“As vacinas continuam sendo essenciais no controle da Covid-19 e a disponibilização de tratamentos antivirais será uma forte aliada no combate à pandemia para reduzir as complicações pela doença”, afirma o presidente da MSD no Brasil, Hugo Nisenbom.

No entanto, até o momento, a Anvisa ainda não se pronunciou sobre o prazo da análise do medicamento.

Em estudos, o molnupiravir conseguiu reduzir significativamente o risco de internações e também mortes por Covid-19.

Administração

O tratamento com o molnupiravir, cujo nome comercial é Lagevrio, deve ser iniciado em até cinco dias após o começo dos sintomas.

As cápsulas são tomadas duas vezes ao dia durante cinco dias.

No Reino Unido, primeiro a aprovar o molnupiravir, o antiviral está restrito a pacientes infectados que apresentem quadro leve ou moderado.

E que também tenham pelo menos um fator de risco para desenvolver doença grave.

Valor

A MSD anunciou, no fim de outubro, que não irá cobrar taxa de patente para 105 países, o que vai, portanto, baratear a produção global do medicamento.

No Brasil, por exemplo, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) conduz os estudos de fase três do antiviral, que acontecem desde o começo de outubro, simultaneamente, em sete centros no Brasil.

A coordenação é dos pesquisadores Julio Croda e Margareth Dalcolmo.

Negociação da pílula da MSD ao Brasil

A fundação e o laboratório negociam para que o molnupiravir seja produzido aqui.

No entanto, caso o acordo seja bem-sucedido, a ideia é fabricá-lo em Farmanguinhos, no Rio de Janeiro, para uso no Sistema Único de Saúde (SUS).

O aval da Anvisa é o primeiro passo para que o remédio possa, então, ser amplamente utilizado no país.

Uma vez aprovado, a distribuição no SUS deve ser decidida pela  Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec).

Fonte: R7

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário