PDV

Novo serviço da Rede Drogal evita o descarte irregular de 150 quilos de medicamentos vencidos ou em desuso

Os displays contam com dois compartimentos: um exclusivo para medicamentos e outro para as embalagens (caixas e bulas)

Foi positiva a adesão dos clientes, já no primeiro mês, ao novo serviço oferecido pela Rede Drogal voltado ao recolhimento de medicamentos vencidos ou em desuso descarte irregular.

Os pontos de coleta receberam, ao todo, 150 quilos de medicações não apropriadas para o uso.

Uma ótima notícia, especialmente pelo fato do descarte correto evitar a contaminação de lençóis freáticos, mananciais e solo, preservando, dessa maneira, o ambiente e a saúde da população.

Em outubro, a Rede Drogal instalou 90 pontos de coleta nas cidades de Americana, Campinas, Limeira, Hortolândia, Indaiatuba, Piracicaba, Ribeirão Preto, Rio Claro e Sumaré para o descarte correto dos medicamentos fora do prazo de validade ou que não estejam mais sendo utilizados.

Os displays contam com dois compartimentos: um exclusivo para medicamentos e outro para as embalagens (caixas e bulas).

A saber, a destinação correta dos resíduos coletados contempla um trabalho, portanto, conjunto entre farmácias, distribuidores, fabricantes e importadoras

A implantação do sistema de logística reversa na Rede Drogal atende ao Decreto Federal n° 10.388/20 (Política Nacional de Resíduos Sólidos) e ao Termo de Compromisso firmado entre o Governo de São Paulo, Cetesb e representantes do setor farmacêuticos.

A parceria estadual prevê a implantação em munícipios com população acima de 200 mil habitantes, atingindo 41 cidades paulistas.

Como usar os pontos de coleta 

O consumidor não deve retirar o produto da embalagem primária, que é aquela que fica em contato direto com o medicamento.

No caso de líquidos, por exemplo, a embalagem primária é o frasco de vidro ou plástico; no comprimido, é o blister de alumínio.

O consumidor deve levar os produtos aos estabelecimentos da forma que estão, não deve descaracterizar o medicamento.

Jás as bulas e as embalagens secundárias, que são as caixas de papelão, devem ser descartadas no nicho para essa finalidade.

Problemas de um descarte irregular

O descarte de medicamentos vencidos ou em desuso de forma aleatória, no lixo comum ou no vaso sanitário, pode gerar impactos negativos ao meio ambiente e à saúde.

Cada quilo de medicamento descartado incorretamente pode contaminar até 450 mil litros de água.

A composição química dos medicamentos pode transformar-se em substâncias tóxicas e afetar o equilíbrio do meio ambiente.

Descartadas de forma inadequada, as substâncias se misturam ao lixo comum e, dessa maneira, voltam para a natureza ainda ativas.

Podendo, então, contaminar o lençol freático e até mesmo a água usada para consumo.

Isso porque os resíduos químicos dos medicamentos acabam diluídos na água e são, portanto, praticamente impossíveis de serem eliminados pelo processo de filtragem.

Ou seja, a água é contaminada por esses agentes e retorna aos fluxos hídricos concentrada de resíduos.

Fonte e foto: Rede Drogal

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário