Novos remédios nem sempre são melhores, diz estudo

Pesquisadores constataram que, em 57% dos casos, eles não são mais eficazes do que seus antecessores

Para chegar ao mercado, os novos remédios precisam passar por várias baterias de testes clínicos e obter a aprovação das autoridades regulatórias, que analisam os resultados dessas pesquisas e avaliam a segurança e a eficácia de cada droga. Mas, segundo um estudo publicado por cientistas alemães, esse processo pode estar falhando – e permitindo o lançamento de produtos que não apresentam vantagens concretas.

A pesquisa, que foi realizada pelo Instituto para a Qualidade e a Eficiência na Saúde (Institut für Qualität und Wirtschaftlichkeit im Gesundheitswesen) e publicada no British Medical Journal, analisou a literatura médica acerca de 216 medicamentos lançados no mercado alemão desde 2011. E chegou a uma conclusão espantosa: em 57,8% dos casos, não há provas de que o novo remédio seja mais eficaz do que seu antecessor. 8,8% dos remédios demonstraram uma vantagem “pequena”, 15,3% “considerável”, e apenas 9,7% comprovaram ganho de eficácia “alto” quando comparados aos anteriores.

Resultado de pesquisa sobre novos remédios gerou polêmica

A descoberta é especialmente surpreendente porque, ao determinar o grau de eficácia novos remédios, as autoridades regulatórias costumam levar em conta seu desempenho comparado a outras drogas.

Ouvida pela revista New Scientist, a associação da indústria farmacêutica inglesa criticou o estudo, dizendo que ele “tem uma visão muito restrita” e ignora “questões importantes para os pacientes” (sem enumerar quais seriam elas). Assim, o lançamento de medicamentos cada vez mais caros, e que nem sempre apresentam ganhos significativos de performance, é uma das críticas mais comumente feitas ao setor.

Rótulos de medicamentos: Anvisa realiza revisão da norma

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quer selecionar especialistas voluntários para participar do grupo de trabalho que vai revisar a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 71/2009, com o objetivo de estabelecer normas para rótulos de medicamentos e da RDC 137/2003, que dispõe sobre frases de advertência de bulas e embalagens.

Esse é o objetivo do Edital de Chamamento 11/2019. Assim, o edital foi publicado pela Anvisa no Diário Oficial da União na última sexta-feira (23/08). Desse modo, com a revisão da norma de rótulos de medicamentos, a Anvisa pretende estabelecer novos critérios para a rotulagem de medicamentos e produtos biológicos. Além disso, outro objetivo da revisão é estabelecer novos critérios para as frases de alerta das bulas e embalagens. Dessa forma, permitindo uma maior interação entre o setor regulado e a Agência. A revisão inclui todas as categorias regulatórias de medicamentos e produtos biológicos.

Fonte: Anvisa

Foto: Shutterstock
Fonte: Superinteressante

Cortar comprimidos ao meio pode trazer sérios riscos à saúde

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário