Destaques & lançamentos

Número de casos de Síndrome de Burnout explode na pandemia

Coronavírus impulsiona aumento de esgotamento profissional

Derivada do inglês, Burnout significa “queima” (burn) + “exterior” (out), isto é, “queimar-se por completo”. O termo foi criado pelo psicanalista alemão Herbert Freudenberger, em 1974, e refere-se a problemas relacionados à dificuldade de gerenciar a própria vida, correlacionado com o excesso de trabalho, fonte promotora de distúrbios psíquicos.

E, pode ser entendido no processo de três dimensões: exaustão emocional, despersonalização e baixa realização profissional.

Também conhecida por “Síndrome do Esgotamento Profissional”, a doença muitas vezes é confundida por estresse no trabalho, no entanto, as pessoas acometidas estão em exaustão completa, com esgotamento físico e estresse generalizado.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Burnout é um estresse crônico de trabalho que não foi administrado, então, com sucesso.

Tratamento

Por se tratar de um processo que evolui ao longo dos anos a partir da relação com o trabalho, que quase nunca é percebido em suas fases iniciais, torna-se difícil determinar, então, uma faixa etária mais afetada.

Os primeiros sinais estão expressos no excessivo prolongamento dos níveis de tensão no organismo, podendo levar à insônia, queda de cabelo, doenças cardíacas, palpitações, aumento da pressão arterial, dores musculares, tremores, gastrite, asma, diminuição de interesse — especialmente em relação ao trabalho –, diminuição da energia e disposição do indivíduo em sua vida de modo geral, levando ao afastamento das atividades entendidas como triviais.

Contudo, há profissionais mais propensos a desenvolverem tal síndrome como: segurança privada e policiais; bancários; trabalhadores da área da saúde, como médicos e enfermeiros; professores; controladores de voo e motoristas de ônibus; executivos; e jornalistas.

De forma geral, é mais comum em trabalhadores que possuem relação direta com o público, profissionais assistenciais. Apesar de estarem em destaque no que tange a propensão a desenvolver a Síndrome de Burnout, isso não quer dizer que outros especialistas estão imunes.

Síndrome de Burnout na pandemia

“A pandemia trouxe a necessidade de adequação ao trabalho, imposto pelo distanciamento social. Muitas empresas optaram pelo home office, fazendo com que os afazeres profissionais fossem para o espaço doméstico, exigindo que houvesse a coabitação harmônica entre público e privado. Essa combinação causou certa confusão, pois tarefas domésticas tiveram que dividir espaço com o profissional que trabalha em casa”, explica o psicólogo clínico e professor do curso de Psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), Marcelo Santos.

De acordo com ele, a nova realidade fez com que as pessoas trabalhassem além do seu expediente para dar conta dos deveres. Apesar do ganho em diminuição do tempo em locomoção, o ambiente de descanso se transformou em seu espaço de trabalho diário.

Todas as exigências pressionaram consideravelmente o trabalhador, afetando sua saúde mental.

Marcelo Santos pontua que “a pandemia fez com que houvesse um aumento do esgotamento profissional, tendo em vista as mortes pela Covid-19, a insegurança do futuro, o aumento da taxa de desemprego, poder de compra reduzido, espaço doméstico e profissional coabitando juntos, filhos demandando atenção, cobrança dos chefes, reuniões on-line constantes e aumento da jornada de trabalho”.

Contudo, o psicólogo afirmou que tudo isso justifica o aumento dos casos de Burnout no período de pandemia.

Diagnóstico

Por se tratar de doença relacionada ao trabalho, o especialista do Mackenzie diz que é imprescindível ficar atento às condições de trabalho, relacionamento com a profissão, relações interpessoais, excesso da jornada, exigências além do possível de ser cumprido e assédios que podem ocorrer no ambiente profissional.

Caso haja diagnóstico ou suspeita de estar nesse processo de esgotamento, é necessário, então, buscar ajuda com profissionais que poderão oferecer tratamento, tais como psicólogo e psiquiatra.

“O resgate da autoestima e da autoconfiança são necessários para reestabelecer a saúde mental, podendo até se valer, se necessário, de tratamento medicamentoso. Praticar atividades físicas, melhorar a qualidade do sono e da alimentação, aumentar o convívio saudável com amigos e familiares e lazer, ajudam muito”.

Fonte: Universidade Presbiteriana Mackenzie

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário