O novo mercado de biotecnologia da China

A China está testemunhando um boom da biotecnologia e algumas empresas já começam a se destacar, mudando este cenário por lá

A China testemunhou um boom da biotecnologia na última década. Muitos empresários de biotecnologia sentiram um chamado para ‘remodelar’ a indústria farmacêutica em um país que há muito confia em genéricos de qualidade duvidosa, onde está crescendo a demanda por medicamentos mais inovadores para melhorar os resultados do tratamento que podem corresponder à economia em ascensão da China.

Com treinamento de alto nível de instituições estrangeiras e experiência em grandes empresas biofarmacêuticas multinacionais, algumas empresas abriram suas próprias lojas na esperança de criar os próximos medicamentos de sucesso fora da China.

Para quem deseja ter sucesso em qualquer coisa na China, o apoio do governo é quase sempre necessário. A partir de 2015, os reguladores chineses deram início a uma série de reformas, criando um ambiente mais amigável para o desenvolvimento da indústria biofarmacêutica.

Eles começaram a testar o sistema do Titular da Autorização de Introdução no Mercado, que permite que os inovadores em medicamentos usem fabricantes contratados em vez de ter que construir uma produção interna cara ou vender propriedade intelectual para grandes empresas. Os medicamentos genéricos foram obrigados, então, a mostrarem bioequivalência aos seus produtos de marca e de referência em uma campanha.

Para ajudar medicamentos inovadores a chegarem ao mercado mais rapidamente, o órgão regulador da China começou a permitir que dados clínicos estrangeiros apoiassem os pedidos e simplificou seus processos de revisão.

Como resultado, aumentaram as aprovações de novos medicamentos pelas autoridades chinesas. Em 2017, 42 novas moléculas foram aprovadas no mercado chinês, ante sete em 2016, segundo dados compilados pela GBI Health. Em 2018 e 2019, esses números eram 60 e 57, respectivamente.

Mudanças necessárias

As recentes mudanças nas regras do mercado de ações em Hong Kong e no continente chinês também possibilitaram que jovens empresas de biotecnologia pré-lucrativas, levantassem dinheiro em plataformas de negociações públicas.

Das sete novas moléculas aprovadas na China em 2016, três foram desenvolvidas por empresas nacionais. Em 2018 e 2019, biofarmas chineses contribuíram com 14 e 13 novas aprovações de medicamentos no país, respectivamente, ainda de acordo com a GBI Health.

Em 2015, o número total de pedidos de ensaios clínicos, pela primeira vez de empresas nacionais, para um novo medicamento foi 79 para medicamentos de moléculas pequenas e 20 para produtos biológicos terapêuticos. Em 1º de novembro deste ano, a contagem era de 139 para medicamentos químicos e 77 para biológicos, mostram os dados da GBI Health.

Subsídios

Moléculas licenciadas desenvolvidas em outros lugares são uma estratégia popular entre as empresas de biotecnologia chinesas como um caminho de baixo risco para iniciar o fluxo de caixa rapidamente. Algumas das rodadas de megafinanciamento que as biotecnológicas chinesas realizaram também mostraram que dinheiro não é necessariamente um problema para elas.

Em 2019, as empresas biofarmacêuticas chinesas registraram um total de 81 rodadas de financiamento. Desde 1º de novembro deste ano, 133 rodadas de arrecadação de fundos (incluindo ofertas secundárias) ocorreram, com valores totais anunciados estimados em cerca de CNY 80 bilhões ($ 12 bilhões), de acordo com o GBI. Mas, comparada com o dinheiro, a verdadeira inovação ainda é uma moeda rara.

Mesmo atualmente, a maioria das moléculas que saem de empresas chinesas ainda são drogas que seguem mecanismos já validados em outros lugares e poucos têm seus medicamentos competindo ao lado de empresas ocidentais em mercados mais inovadores, como os EUA.

Tecnologia chinesa

É por isso que o boom da biotecnologia da China até agora ainda é, em grande parte, uma celebração interna, e não um evento global. Claro, essa indústria ainda é jovem e precisa de tempo para amadurecer. Mas, no longo prazo, os recursos internos de P&D são mais importantes, tanto do ponto de vista da reputação quanto para a sustentabilidade do negócio.

Ao contrário do cenário de pesquisa mais diversificado terapeuticamente nos EUA, a oncologia é o tema dominante entre as empresas de biotecnologia chinesas.

Fonte: Fierce Pharma

Foto: Shuttestock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário