O tempo seco realmente aumenta os casos de gripe?

O tempo seco na verdade, auxilia no aumento da transmissão do vírus, favorecido pela combinação do ar frio e baixa umidade

Comumente escutamos que os casos de gripe aumentam no frio, com o tempo seco, e ainda podem piorar com a combinação de temperaturas baixas e clima seco. Na realidade, o que acontece nestas condições é o aumento da transmissão do vírus. Isso é favorecido pela combinação do ar frio e baixa umidade. Entretanto, nem mesmo os cientistas têm bem esclarecido a razão para isso. Eles se apoiam-se em duas principais teorias, relacionadas ao ressecamento das vias respiratórias e a tendência de aglomeração da época.

“No clima seco e frio, nariz, garganta, laringe e traqueia ficam com pouca umidade, o que diminui nossas defesas naturais e favorece a invasão dos vírus causadores de doenças respiratórias, como a gripe, por exemplo”, explica a gerente médica da Sanofi Pasteur, Kelem Chagas. Um estudo publicado na revista PLOS Pathogens revelou que, com a umidade relativa do ar entre 20% e 35%, a transmissão da gripe triplicou ou quadriplicou na amostra analisada. Observou-se também maior transmissão em temperaturas mais baixas.

A segunda teoria apresentada por médicos está ligada ao comportamento durante a temporada fria do ano. “Com as baixas temperaturas, há uma tendência de aglomeração em ambientes com janelas fechadas. Isso também favorece a difusão do vírus influenza”, esclarece Kelem.

De acordo com a médica, para evitar as doenças respiratórias em geral, incluindo a gripe, é importante apostar em prevenção. Para o vírus influenza, há a vacinação pública e privada. Adicionalmente, para deixar o ambiente menos seco, o uso de umidificadores de ar. Além disso, colocar uma toalha úmida nos espaços pode ajudar bastante. Manter-se hidratado também é fundamental.

Tempo seco: vacinas para prevenir as principais doenças

No Brasil, para o mercado privado, há duas vacinas contra influenza. A vacina trivalente, que oferece proteção contra três cepas do vírus influenza, sendo duas cepas do tipo A e uma cepa do tipo B e pode ser aplicada a partir dos seis meses de idade. Já a vacina quadrivalente proporciona proteção mais ampla contra influenza e suas complicações, pois contêm uma cepa B adicional (duas A e duas B). Ambas as vacinas, trivalente e quadrivalente, são recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Foto: Shutterstock
Fonte: Sanofi

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário