O varejo não está preparado para atender clientes com deficiência

Segundo a pesquisa do Grupo Croma 70% das pessoas afirmam que o atendimento de vendedores e call centers ainda oferece um serviço inadequado para esse público

De acordo o Grupo Croma, o varejo não está preparado para atender clientes com deficiência.

A pesquisa investigou, contudo, como as marcas estão lidando com os temas “longevidade” e “diversidade” de orientação sexual, gênero, etnia e pessoas com deficiência.

Desse modo revelou que 88% das pessoas ouvidas concordam que as lojas brasileiras não oferecem estruturas preparadas para atender pessoas com deficiência e 70% afirmam que o atendimento de vendedores e call centers ainda oferece um serviço inadequado para esse público.

Reivindicações

O levantamento que ouviu mais de 1.814 pessoas em todo o Brasil também mapeou quais são as principais reivindicações das pessoas com deficiência.

70% dos participantes consideram como tema prioritário o planejamento das lojas para atender esse público.

E em segundo lugar aparece na lista de prioridades o lançamento de produtos e serviços (65%), seguido por propagandas (62%) e contratação de pessoas que representem o público PCDs (55%).

“Infelizmente a sociedade tende a estigmatizar as pessoas com deficiência física no contexto social, econômico e de consumo”, explica Edmar Bulla, CEO do Grupo Croma.

Dessa forma, Bulla completa: “Seus desejos são dificilmente atendidos porque a maioria das empresas não enxerga esse mercado como potencial. Falta empatia e poucas marcas põem em prática ações inclusivas para esse público. Para 62%, as empresas ainda têm grande preconceito na contratação de pessoas com deficiência”

O que precisa melhor

Apesar de o Brasil ter leis que orientam como lidar com a questão no País, as pessoas com deficiência física enfrentam preconceito.

De acordo com o Oldiversity®, 7% dos participantes ainda acham estranho serem atendidos por pessoas com deficiência.

Atualmente poucas marcas realmente adotaram uma postura Oldiversity, seja por meio de seus produtos e serviços ou da sua comunicação.

Essa prática é fundamental para uma sociedade mais justa, as marcas também ganham, 53% acreditam que elas deveriam ter propagandas específicas para pessoas com deficiência e 59% que produtos e serviços deveriam ser desenvolvidos para esse público,” finaliza Bulla.

Foto: Divulgação  / Grupo Croma

Fonte: Grupo Croma

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário