Obesidade pode contribuir para o aparecimento do câncer de mama

Reposição hormonal e anticoncepcional devem ser usados com orientação do especialista

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), em 2021, estimam-se 66.280 casos novos de câncer de mama e a obesidade pode ter uma relação direta, então, com isso.

O que equivale, portanto, a uma taxa de incidência de 43,74 casos por 100.000 mulheres.

A incidência do câncer de mama tende a crescer progressivamente a partir dos 40 anos.

O sintoma mais comum é o aparecimento de nódulo, geralmente indolor, duro e irregular, mas há tumores que são de consistência mais macia, globosos e bem definidos.

Por isso é fundamental que a mulher realize todos os exames de rotina e fique atenta a qualquer sinal:

95% dos casos diagnosticados no início têm possibilidade de cura.

 O câncer de mama, além da oncologia, também está ligado à endocrinologia.

Isso porque muitas comorbidades como diabetes e obesidade podem contribuir para o aparecimento da doença.

Problemas com o peso: obesidade relacionada ao câncer de mama

A obesidade pode ser considerada uma das causas do câncer de mama porque um dos principais hormônios produzidos pelo tecido adiposo é o estrógeno, que está intimamente ligado a alguns tipos de câncer de mama.

Durante a vida fértil, o hormônio tem sua produção pelos ovários.

Já na menopausa, há uma queda nos níveis do estrógeno, que param de ser produzidos nos órgãos sexuais femininos.

A endocrinologista Dra. Lorena Lima Amato explica que quando a mulher está acima do peso na menopausa, o tecido adiposo se encarrega de produzir o estrógeno

E que, em excesso, pode provocar a multiplicação celular do tecido mamário, causando o câncer.

“Por esse motivo, estima-se que as mulheres obesas têm mais chances de desenvolver o câncer de mama, principalmente no período logo após a menopausa, quando comparadas com as que se encontram com o peso ideal”, esclarece a especialista.

Contudo, vale lembrar que o câncer de mama não tem uma causa única.

Diversos fatores estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver a doença, como por exemplo:

Idade, fatores endócrinos, comportamentais, ambientais, fatores genéticos e hereditários.

Reposição Hormonal

Ainda de acordo com (Inca), a terapia de reposição hormonal (TRH), principalmente a terapia combinada de estrogênio e progesterona, certamente aumenta o risco do câncer de mama.

E deve, portanto, ser realizada sempre com a supervisão de um médico.

E o aumento de risco de desenvolver a doença diminui, portanto, progressivamente após a suspensão do tratamento.

 “Atualmente, a TRH é contraindicada nas mulheres que já tiveram câncer de mama. Os riscos do uso de hormônios bioidênticos (substâncias hormonais que possuem a mesma estrutura química e molecular encontrada nos hormônios produzidos no corpo humano) permanecem incertos. Nas mulheres sem fatores de risco associados, a terapia hormonal pode ser feita com tranquilidade, se a mulher mantiver o seguimento médico de perto, realizando os exames de rotina necessários”, explica Dra. Lorena.

Anticoncepcional 

Recentemente, um estudo publicado no New England Jornal of Medicine, revelou que o risco de câncer de mama é maior para as usuárias de anticoncepcionais em relação àquelas que nunca recorreram ao medicamento.

Os pesquisadores revelaram também que o uso do anticoncepcional produziu um caso extra de câncer de mama para cada 7.690 mulheres por ano.

Considerando que cerca de 140 milhões usam o anticoncepcional em todo o mundo.

“No entanto, não há necessidade de as mulheres interromperem o uso do anticoncepcional que já utilizam. O ideal é que cada paciente avalie ou discuta com seu médico sobre os riscos e os benefícios da pílula, que além de ter alta eficácia contra a gravidez, também pode regular o ciclo menstrual, diminuir cólicas e TPM e melhorar a pele”, comenta a médica.

Diagnóstico precoce

O rastreamento por meio da mamografia diminui a mortalidade em cerca de 20% nas pacientes entre 50 e 69 anos, de acordo com dados do Inca.

Quanto maior for o percentual de mulheres na faixa de 50 a 69 anos que realizam a mamografia de rastreamento a cada dois anos, maior será, então, a chance de detectar a doença na fase inicial, diminuindo, dessa maneira, a taxa de mortalidade.

 A qualidade da mamografia é indispensável para a detecção precoce do câncer de mama.

Hoje em dia, a qualidade dos aparelhos (mamógrafos) garante imagens radiográficas de alto padrão com doses mínimas de radiação.

O rastreamento contribui, então, para reduzir a mortalidade por câncer de mama, mas também traz riscos. 

Prevenção

Conhecer os fatores de risco é a chave para a prevenção do câncer mamário, que pode, então, ser feita de duas maneiras:

A prevenção primária, isto é, reduzir ou evitar o risco não se expondo a determinados agentes, e a prevenção secundária, através de exames dirigidos, como é o caso da mamografia e do papanicolau nas mulheres.

 Os principais fatores de risco para câncer, conforme explica Dra. Lorena, são:

Exposição solar repetida e sem proteção, dieta inadequada (excesso de gorduras, carnes, embutidos, alimentos ultraprocessados), consumo de tabaco e de bebidas alcoólicas em excesso.

Além de sedentarismo, e algumas infecções (HPV e hepatite, por exemplo).

 “Ter um estilo de vida saudável ajuda, e muito, a prevenir o câncer de mama e outros tipos de câncer. Como eu sempre comento e repito para minhas pacientes: uma alimentação rica em vegetais como frutas, legumes, verduras, cereais integrais, leguminosas, tirando os alimentos industrializados do cardápio, ajuda a diminuir consideravelmente os riscos de ter a doença”, conta a especialista.

Outubro Rosa: informações que toda mulher precisa ter sobre câncer de mama 

Fonte: Dra. Lorena Lima Amato 

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário