fbpx

OMS lista as 10 maiores ameaças à saúde global em 2019

Surtos de doenças preveníveis por falta de vacinação e dengue são alguns dos itens citados

Surtos de doenças preveníveis por falta de vacinação, dengue, resistência antimicrobiana e HIV são alguns dos itens que integram a lista das 10 principais ameaças à saúde global em 2019, divulgada Organização Mundial da Saúde (OMS).

Diante desses desafios, a entidade pretende dar início a um novo plano estratégico de cinco anos, com a meta de garantir que 1 bilhão a mais de pessoas se beneficiem do acesso à cobertura universal de saúde, mais 1 bilhão de pessoas estejam protegidas das emergências de saúde e 1 bilhão de pessoas desfrutem de melhor saúde e bem-estar. Acompanhe, a seguir, a lista das ameaças apontadas pela OMS.

1. Poluição do ar e mudança climática

Em 2019, a poluição do ar é considerada pela OMS como o maior risco ambiental e que traz ameaças à saúde. Afinal, nove em cada dez pessoas respiram ar poluído todos os dias. Poluentes microscópicos no ar podem penetrar nos sistemas respiratório e circulatório, danificando os pulmões, coração e cérebro, matando 7 milhões de pessoas todos os anos, prematuramente, de doenças como câncer, derrames, doenças cardíacas e pulmonares. A principal causa da poluição do ar (queima de combustíveis fósseis) também é um dos principais contribuintes para a mudança climática. Entre 2030 e 2050, espera-se que a mudança climática cause 250.000 mortes adicionais por ano, de desnutrição, malária, diarréia e estresse por calor.

2. Doenças não transmissíveis

As doenças não transmissíveis, como diabetes, câncer e doenças cardíacas, são coletivamente responsáveis por mais de 70% de todas as mortes no mundo, ou 41 milhões de pessoas. Isso inclui 15 milhões de pessoas que morrem prematuramente, com idade entre 30 e 69 anos. Mais de 85% dessas mortes prematuras ocorrem em países de baixa e média renda. O aumento dessas doenças tem sido impulsionado por cinco fatores de risco principais: uso do tabaco, inatividade física, uso nocivo do álcool, dietas pouco saudáveis e poluição do ar.

3. Pandemia global de gripe

O mundo enfrentará outra pandemia de gripe – só não se sabe quando será atingida e quão severa será. A OMS está, assim, constantemente monitorando a circulação dos vírus da gripe para detectar potenciais cepas pandêmicas. No caso em que uma nova cepa da gripe desenvolva um potencial pandêmico, a entidade pretende garantir acesso efetivo e equitativo a diagnósticos, vacinas e antivirais (tratamentos), especialmente em países em desenvolvimento.

4. Situações de fragilidade e vulnerabilidade

Mais de 1,6 bilhão de pessoas (22% da população mundial) vivem em locais onde crises prolongadas (por meio de uma combinação de desafios como seca, fome, conflitos e deslocamento da população) e serviços de saúde frágeis os deixam sem acesso aos cuidados básicos. Existem configurações frágeis em quase todas as regiões do mundo, e é onde a metade das metas-chave dos objetivos de desenvolvimento sustentável, incluindo a saúde materna e infantil, permanece não atendida.

5. Resistência antimicrobiana

O desenvolvimento de antibióticos, antivirais e antimaláricos são alguns dos maiores sucessos da medicina moderna. Agora, o tempo com essas drogas está acabando e que fez com que a OMS colocasse esse problema entre as 10 maiores ameaças à saúde global. A resistência antimicrobiana, caracterizada pela capacidade de bactérias, parasitas, vírus e fungos resistirem a esses medicamentos – ameaça mandar o mundo de volta a uma época em que não se conseguia tratar facilmente infecções como pneumonia, tuberculose, gonorreia e salmonelose. A incapacidade de prevenir infecções pode comprometer gravemente a cirurgia e procedimentos como a quimioterapia. A resistência aos medicamentos é impulsionada pelo uso excessivo de antimicrobianos nas pessoas, mas também em animais, especialmente aqueles usados ​​na produção de alimentos, bem como no meio ambiente.

6. Ebola

Em 2018, a República Democrática do Congo viu dois surtos de Ebola separados, os quais se espalharam para cidades de mais de 1 milhão de pessoas. Uma das províncias afetadas também está em uma zona de conflito ativa. Isso mostra que o contexto em que uma epidemia de um agente patogênico de alta ameaça como o Ebola entra em erupção é fundamental – o que aconteceu em surtos rurais no passado nem sempre se aplica a áreas urbanas densamente povoadas ou áreas afetadas por conflitos. O Plano de P&D da OMS identifica doenças e patógenos que têm potencial para causar uma emergência de saúde pública, mas carecem de tratamentos e vacinas eficazes. Esta lista para pesquisa inclui Ebola, várias outras febres hemorrágicas, como Zika e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS).

7. Atenção primária

A atenção primária à saúde é geralmente o primeiro ponto de contato que as pessoas têm com seu sistema de saúde e, idealmente, deve fornecer cuidados abrangentes, acessíveis e baseados na comunidade ao longo da vida. No entanto, muitos países não possuem instalações de atenção primária adequadas, por isso o problema figura entre as ameaças à saúde . Essa negligência pode ser uma falta de recursos em países de baixa ou média renda, mas possivelmente também um foco nas últimas décadas em programas de doenças únicas.

8. Resistência à vacinação

A relutância ou a recusa em vacinar apesar da disponibilidade de vacinas – ameaça reverter o progresso feito no combate a doenças evitáveis ​. A vacinação é uma das formas mais econômicas de se evitar doenças – atualmente, previne-se 2 a 3 milhões de mortes por ano, e outros 1,5 milhões poderiam ser evitados se a cobertura global de vacinação melhorasse. O sarampo, por exemplo, registrou um aumento de 30% nos casos em todo o mundo. As razões para esse aumento são complexas, e nem todos esses casos se devem à hesitação vacinal. No entanto, alguns países que estavam perto de eliminar a doença tiveram um ressurgimento.

9. Dengue

A dengue, doença transmitida por mosquitos que causa sintomas semelhantes aos da gripe, pode ser letal está na radar da OMS, entre as 10 maiores ameaças à saúde. Estima-se que 40% do mundo está em risco de dengue, e existem cerca de 390 milhões de infecções por ano. A estratégia de controle da doença da OMS visa reduzir as mortes em 50% até 2020.

10. HIV

A epidemia de HIV continua a se alastrar com quase um milhão de pessoas a cada ano morrendo dela doença e por isso está na lista das 10 maiores ameaças à saúde de 2019. Desde o início da epidemia, mais de 70 milhões de pessoas adquiriram a infecção e cerca de 35 milhões de pessoas morreram. Hoje, cerca de 37 milhões de pessoas no mundo vivem com o HIV. Alcançar pessoas como profissionais do sexo, pessoas na prisão, homens que fazem sexo com homens ou pessoas transexuais é extremamente desafiador. Este ano, a OMS trabalhará com os países para apoiar a introdução do auto-teste, para que mais pessoas que vivem com o HIV conheçam seu estado e possam receber tratamento ou medidas preventivas.

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: Shutterstock

Hanseníase: Brasil é o segundo país com mais casos no mundo

Deixe um comentário