OMS pede transparência ao Brasil na divulgação de dados da covid-19

Entidade ressalta importância da consistência ao fornecer informações para a população

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu “transparência” ao Brasil na divulgação de dados sobre a covid-19, nesta segunda-feira, 8. A entidade espera uma rápida solução para a “confusão” no País, e ressalta que a clareza no processo é “ainda mais importante” para os cidadãos. Este é o primeiro pronunciamento do órgão sobre a recente alteração no boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, que passou a ocultar os números acumulados de casos e de mortes em decorrência do coronavírus.

“É muito importante que mensagens sobre transparência sejam consistentes, para que possamos confiar nos nossos parceiros. É mais importante ainda para os cidadãos, que precisam entender como lidar com o vírus. Queremos que qualquer confusão possa ser resolvida agora, e que o governo e os Estados possam continuar fornecendo dados de forma consistente para seus cidadãos. Continuaremos apoiando o governo brasileiro para controlar essa doença o mais rápido possível”, afirmou Michael Ryan, diretor do programa de emergências da entidade.

De acordo com Ryan, a OMS entende que o Brasil continuará divulgando os números diários de maneira “desagregada” à população. O diretor, porém, garantiu que a entidade está satisfeita com a forma atual como recebe os dados, por parte do País e da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

Dados da Covid-19 no Brasil

“Possuímos dados extremamente detalhados do Brasil. Alguns desses dados recebidos diariamente, inclusive, estão entre os mais detalhados e atualizados do mundo. Realmente esperamos que isso continue.  É um país muito grande, com uma população muito diversa e vulnerável, principalmente nas áreas urbanas e indígenas”, disse.

A OMS voltou a expressar preocupação com o avanço da pandemia na América Latina. Ryan reforçou que muitos países da região enfrentam graves problemas, com pressão sobre os sistemas de saúde e escassez de leitos de UTI, além de “medo e confusão” nas comunidades.

“Neste momento, a epidemia nas Américas Central e do Sul é a mais complexa entre todas as situações que enfrentamos globalmente. O mundo precisa dar o suporte necessário a esses países, para, assim, ajudá-los a lidar com os impactos da pandemia”, admitiu o diretor.

A polêmica dos números

A confusão na divulgação dos dados do Ministério da Saúde começou na última quarta-feira, 3, quando os números diários da doença no País só foram publicados às 22h. Na sexta-feira, 6, o presidente Jair Bolsonaro confirmou a alteração, sob a justificativa de “obter dados mais precisos sobre cada região”. Entre os inícios de maio e junho, o boletim era publicado por volta das 19h.

plataforma do Ministério, que continha números e gráficos detalhados sobre a situação da covid-19 no País, chegou a ficar fora do ar por um dia, entre quinta e sexta-feira. Na ocasião, a pasta sugeriu uma recontagem no número de óbitos. O site voltou ao ar na sexta, mas apenas com dados de casos, mortes e recuperados nas últimas 24 horas.

O caos se ampliou no fim de semana. Neste domingo, 7, as informações oficiais, às 20h37, eram de 1.382 novos óbitos e 12.581 novos casos de infectados em 24 horas. Às 21h50, no entanto, a plataforma trazia dados diferentes: 525 óbitos e 18.912 casos. Nesta segunda, 8, o Ministério da Saúde esclareceu que os números divulgados por último eram os verdadeiros. Com isso, o total de casos no Brasil, até o momento, é de 691.758, além de 36.455 mortes.

Em resposta à decisão do governo de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, os veículos O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, Extra, G1 e UOL decidiram formar uma parceria e trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. O balanço diário será fechado às 20h, e cada órgão de imprensa divulgará o resultado desse acompanhamento em seus respectivos canais.

Foto: Shutterstock
Fonte: Estadão

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário