fbpx

OMS pede transparência ao Brasil na divulgação de dados da covid-19

Entidade ressalta importância da consistência ao fornecer informações para a população

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu “transparência” ao Brasil na divulgação de dados sobre a covid-19, nesta segunda-feira, 8. A entidade espera uma rápida solução para a “confusão” no País, e ressalta que a clareza no processo é “ainda mais importante” para os cidadãos. Este é o primeiro pronunciamento do órgão sobre a recente alteração no boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, que passou a ocultar os números acumulados de casos e de mortes em decorrência do coronavírus.

“É muito importante que mensagens sobre transparência sejam consistentes, para que possamos confiar nos nossos parceiros. É mais importante ainda para os cidadãos, que precisam entender como lidar com o vírus. Queremos que qualquer confusão possa ser resolvida agora, e que o governo e os Estados possam continuar fornecendo dados de forma consistente para seus cidadãos. Continuaremos apoiando o governo brasileiro para controlar essa doença o mais rápido possível”, afirmou Michael Ryan, diretor do programa de emergências da entidade.

De acordo com Ryan, a OMS entende que o Brasil continuará divulgando os números diários de maneira “desagregada” à população. O diretor, porém, garantiu que a entidade está satisfeita com a forma atual como recebe os dados, por parte do País e da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

Dados da Covid-19 no Brasil

“Possuímos dados extremamente detalhados do Brasil. Alguns desses dados recebidos diariamente, inclusive, estão entre os mais detalhados e atualizados do mundo. Realmente esperamos que isso continue.  É um país muito grande, com uma população muito diversa e vulnerável, principalmente nas áreas urbanas e indígenas”, disse.

A OMS voltou a expressar preocupação com o avanço da pandemia na América Latina. Ryan reforçou que muitos países da região enfrentam graves problemas, com pressão sobre os sistemas de saúde e escassez de leitos de UTI, além de “medo e confusão” nas comunidades.

“Neste momento, a epidemia nas Américas Central e do Sul é a mais complexa entre todas as situações que enfrentamos globalmente. O mundo precisa dar o suporte necessário a esses países, para, assim, ajudá-los a lidar com os impactos da pandemia”, admitiu o diretor.

A polêmica dos números

A confusão na divulgação dos dados do Ministério da Saúde começou na última quarta-feira, 3, quando os números diários da doença no País só foram publicados às 22h. Na sexta-feira, 6, o presidente Jair Bolsonaro confirmou a alteração, sob a justificativa de “obter dados mais precisos sobre cada região”. Entre os inícios de maio e junho, o boletim era publicado por volta das 19h.

plataforma do Ministério, que continha números e gráficos detalhados sobre a situação da covid-19 no País, chegou a ficar fora do ar por um dia, entre quinta e sexta-feira. Na ocasião, a pasta sugeriu uma recontagem no número de óbitos. O site voltou ao ar na sexta, mas apenas com dados de casos, mortes e recuperados nas últimas 24 horas.

O caos se ampliou no fim de semana. Neste domingo, 7, as informações oficiais, às 20h37, eram de 1.382 novos óbitos e 12.581 novos casos de infectados em 24 horas. Às 21h50, no entanto, a plataforma trazia dados diferentes: 525 óbitos e 18.912 casos. Nesta segunda, 8, o Ministério da Saúde esclareceu que os números divulgados por último eram os verdadeiros. Com isso, o total de casos no Brasil, até o momento, é de 691.758, além de 36.455 mortes.

Em resposta à decisão do governo de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, os veículos O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, Extra, G1 e UOL decidiram formar uma parceria e trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. O balanço diário será fechado às 20h, e cada órgão de imprensa divulgará o resultado desse acompanhamento em seus respectivos canais.

Foto: Shutterstock
Fonte: Estadão

Deixe um comentário