Pague Menos reforça os “remédios que estão fazendo efeito” em sua operação

Com suas ações em alta depois do IPO, a rede de farmácias está acelerando a retomada de seu plano de expansão, o aumento a produtividade, os serviços multicanal e a consolidação do seu hub de saúde

Há exatos seis meses, quando tocou a campainha na B3, a Pague Menos viu sua ação e operação ser precificada a R$ 8,50, abaixo da faixa indicativa estabelecida no prospecto, entre R$ 10,22 e R$ 12,54. Na ocasião, a empresa captou R$ 746,9 milhões na oferta.

De lá para cá, a rede de farmácias vem, assim, perseguindo a cotação inicialmente pretendida. Desde o IPO, seus papéis valorizaram mais de 16% e, em 2021, a alta acumulada é de 9,6%.

E, para o ano, o plano então é seguir avançando em muitos dos componentes que explicam essa jornada de “recuperação”, com o reforço de novas doses e projetos.

“Nós conseguimos crescer em meio à crise e entregamos números bastante robustos em 2020”, disse Mário Queirós, CEO da Pague Menos, em conferência com analistas, no último dia 2 de março. “E, em 2021, vamos seguir reforçando o nosso foco em cinco pilares.”

Um desses cinco pilares é a estratégia de expansão, que estava sendo trabalhada nos bastidores. Se, no quarto trimestre de 2020, a Pague Menos não inaugurou nenhuma loja, o plano agora é começar dar velocidade a essa frente.

Novas lojas

“Já estamos com mais de 60 pontos aprovados e com uma média mensal de 12 a 15 sites nesse processo”, afirmou o COO da rede, José Vasquez, que não revelou uma meta de aberturas para o ano. “Dentro do que planejamos, 85% das novas lojas serão nos estados do Norte e Nordeste”.

Hoje, das 1.105 lojas da Pague Menos, 776 estão localizadas nesses dois mercados, nos quais a rede iniciou sua trajetória.

Das 19 unidades fechadas no ano, 32% estavam localizadas nas duas regiões.

A retomada das aberturas com maior ênfase nessas praças é explicada, em parte, pela perda de participação de mercado nessas regiões em 2020, com o avanço de rivais como Raia Drogasil (RD).

No ano, as participações caíram de 20,5% para 19,3%, na região Nordeste, e de 10,8% para 9,8%, na região Norte.

Nova estratégia

“Porém, mesmo com a redução do número de unidades, nós conseguimos praticamente neutralizar essa queda, com o crescimento da venda média por loja de 14% no trimestre, para R$ 590 mil”, disse Queirós, citando um indicador que remete a outra estratégia que seguirá como prioridade em 2021: o aumento da produtividade e da rentabilidade nas lojas.

Nesse espaço, a Pague Menos vem, assim, implementando uma série de iniciativas.

Do aumento do sortimento de produtos e da precificação baseada em algoritmos à redução do número de funcionários por loja e dos índices de ruptura nos estoques, com estratégias por exemplo como monitoramento e predição de abastecimento por unidade e desenvolvimento de novos fornecedores.

Vertentes

Contudo, esses avanços também estão sendo impulsionados por outras duas vertentes. A primeira são os canais digitais, que encerraram o ano com uma participação de 5,2% na receita, contra 2,3% há um ano. “Esses e outros canais trazem menor frequência nas lojas, mas um tíquete médio então muito mais alto”, disse o CFO e diretor de relações com investidores da Pague Menos, Luiz Novais.

A saber, no quarto trimestre, a empresa lançou mais projetos em sua estratégia multicanal. Entre eles, os serviços de Assinatura Programada, que permitem o agendamento de compras recorrentes via site ou app da rede. E também o uso de lockers, inicialmente em algumas lojas de São Paulo e Fortaleza.

“A ideia nesse ano é ampliar a adoção de lockers e não apenas em nossas lojas”, afirmou Queirós. “Mas também em locais de grande fluxo, como shoppings, estações de metrô e centros comerciais. O consumidor vai poder comprar no online e retirar no locker mais próximo.”

Outra prioridade é seguir expandindo o modelo de hubs de saúde, sob a bandeira Clinic Farma, e também o portfólio de ofertas nesse segmento. Hoje, esse formato já está presente em 809 unidades da rede, com mais de 30 protocolos de saúde e monitoramentos de doenças crônicas.

“O objetivo não é lucrar com esses serviços, mas sim fidelizar os clientes”, observou Queirós.

Balanço da Pague Menos  

Em relatório, a XP destacou que esses “remédios” que vêm sendo adotados pela Pague Menos estão começando a “fazer efeito”. Ao definirem o preço-alvo de R$ 13 para a ação da companhia no fim de 2021, os analistas ressaltaram indicadores reportados pela rede em 2020, como o desempenho das vendas mesmas lojas e a melhoria nas margens.

Entre outubro e dezembro, a Pague Menos apurou um lucro líquido ajustado de R$ 37,5 milhões, 147,7% superior ao que foi reportado um ano antes.

Em 2020, então, a rede reverteu o prejuízo de R$ 6,9 milhões no quarto trimestre do ano passado, registrando, assim, um lucro líquido ajustado de R$ 96 milhões.

Já a receita bruta no trimestre cresceu 12,1%, para R$ 1,95 bilhão. No balanço consolidado do ano, o indicador ficou em R$ 7,3 bilhões, o que representou um avanço de 7,6%. No ano, o Ebtida ajustado foi de R$ 572,4 milhões, um salto de 14,2%.

Os papéis da empresa estavam sendo negociados a R$ 9,93 na B3, por volta das 11h30, o que representa uma ligeira alta de 0,4% na cotação.

Pague Menos vê ambiente de negócios semelhante a 2020 

Fonte: Neofeed

Foto: IstoÉDinheiro – Carlos Sambrana

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário