Pague Menos registra receita bruta de R$ 2,1 bi, crescimento de 10,5% em relação ao 1T21

Digital cresce 63,1% no faturamento, atingindo 9,0% das vendas totais

No primeiro trimestre de 2022, as Farmácias Pague Menos alcançou 1.169 pontos de venda e a receita bruta totalizou R$2,1 bilhões, acréscimo de 10,5% em relação ao 1T21.

O crescimento das mesmas lojas atingiu 7,1%, acima da inflação ponderada das categorias de produtos comercializadas, que foi de 6,3% no período.

O EBITDA Ajustado (Lucro antes dos Juros, Impostos, Taxas, Depreciação e Amortização) foi de R$162,4 milhões.

Portanto, com margem de 7,7%, uma redução de 0,6p.p. em relação ao 1T21.

Em janeiro, fevereiro e março de 2022, o lucro líquido ajustado foi de R$ 24,4 milhões.

“Os resultados do primeiro trimestre refletem o momento inicial na curva de maturação da nova safra de lojas, que continua evoluindo positivamente, mas ainda não atingiu seu potencial de vendas”, observa, então, o CEO da companhia, Mário Queirós.

O executivo também pontua que a TIR estimada para essas primeiras lojas do ciclo de expansão é superior a 18%, bem acima do custo de capital da Companhia.

Expansão

No novo ciclo de expansão, a companhia continua focada no adensamento das regiões Norte e Nordeste.

Aproveitando esporadicamente oportunidades de novos sites nas demais regiões, em mercados aderentes à sua proposta de valor e público-alvo. 

A nova safra de lojas reforça a interiorização da Pague Menos com a entrada em municípios de pequeno e médio portes, com cerca de 70% das novas unidades inauguradas em cidades de interior. 

Mais de 80% das lojas abertas nos últimos 12 meses estão localizadas em micromercados com predominância da classe média expandida, majoritariamente nas classes B2, C e D.

O Clinic Farma, principal ativo do Hub de Saúde Pague Menos, foi ampliado, portanto, para 893 lojas, localizadas em todos os estados do Brasil,.

E, portanto, registrou novo recorde com 837 mil atendimentos no 1T22, crescimento de 20,9% em relação ao 1T21 – e adesão de 7,0% da base de clientes.

“Aos poucos, os clientes passam a perceber cada vez mais valor na oferta de serviços de saúde em lojas e gradualmente o mercado de varejo farma vai se adaptando à nova realidade em que a farmácia passa a ocupar um importante espaço no atendimento primário ao paciente”, explica Queirós.

E complementa: “Nesse contexto, nosso Clinic Farma assume protagonismo, tanto pela abrangência como pelo histórico de operação desde 2016. Estimamos possuir atualmente um market share de 20% dos consultórios farmacêuticos e de mais de 25% dos atendimentos realizados, dentre as redes que compõem a Abrafarma”.

Parceiros

A rede de convênios e parcerias continua sendo ampliada, com vendas provenientes desse canal representando 27,6% das vendas totais, crescimento de 11,8p.p. em relação ao 1T21.

Além de contribuir para o bom desempenho de vendas esse canal é considerado estratégico por fidelizar e alavancar o comportamento de compra dos clientes.

As ações de CRM apresentaram resultados positivos como a redução na taxa de abandono e retenção de clientes de alto valor.

Ao final do 1T22, a companhia registrou 15,5 milhões de clientes ativos dos últimos 12 meses.

Crescimento, portanto, de 6,8% em relação ao 1T21.

A venda incremental gerada por ativações personalizadas atingiu 3,2% das vendas totais.

Já o crescimento total foi alavancado pelo aumento no volume de atendimentos, que totalizou 29 milhões no trimestre, crescimento de 11,3% em relação a janeiro, fevereiro e março de 2021.

Vendas

No 1T22, o mix de vendas foi influenciado pela demanda provocada pela onda da variante Ômicron e do surto de Influenza.

O qual impulsionaram as vendas de testes de Covid-19 e produtos para gripes e resfriados, incrementando a participação da receita de serviços e OTC (produtos que podem ser vendidos sem prescrição médica).

Além dessas categorias, a venda de genéricos cresceu 17,2%.

Já no primeiro trimestre de 2022, o efeito mix impactou positivamente a margem bruta do trimestre em 0,5p.p., comparado ao 1T21.

Plataforma omnichannel

Os canais digitais totalizaram R$189,4 milhões em vendas no 1T22, aumento, então, de 63,1% em relação ao 1T21, alcançando 9,0% das vendas totais.

Dessa maneira, o forte ritmo de crescimento vem acompanhado de melhorias consistentes no nível de serviço e manutenção de nível de rentabilidade saudável nos canais.

app Pague Menos lançado no final de 2021, superou a marca de 600 mil downloads.

Entre os canais, destacou-se no trimestre a Prateleira Infinita, que cresceu 237% em relação ao 1T21 e 19% em relação ao 4T21.

Este canal cumpriu, no trimestre, papel importante no atendimento aos clientes diante do aumento de ruptura de estoques.

Gerado pelo pico de demanda de itens relacionados à Covid-19 e Influenza, ocorrido em janeiro de 2022.

Os pedidos realizados via canais digitais e retirados na loja representaram 23% das vendas.

As marcas próprias registram um recorde de vendas de R$ 134,7 milhões no 1T22, crescimento de 15,9% em relação ao 1T21.

Com isso, então, a participação dessa categoria de produtos atingiu 6,4% das vendas totais e 13,9% das vendas do autosserviço.

Outro destaque de vendas no trimestre, foi, portanto, o canal de medicamentos especiais, o AME.

O qual cresceu 116% em relação ao mesmo período do ano anterior, chegando, então, a um portfólio com mais de 460 produtos.

Fonte e foto: Farmácias Pague Menos

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário