Destaques & lançamentos

Paxlovid: entenda como funciona o remédio da Pfizer contra Covid-19

A Pfizer tenta a aprovação do Paxlovid junto à FDA, agência reguladora dos Estados Unidos

A pandemia causada pela Covid-19 gerou uma corrida científica não apenas pela vacina, mas por remédios que combatam o novo coronavírus (Sars-Cov-2). O laboratório norte-americano Pfizer desenvolveu o Paxlovid, uma pílula antiviral que reduziu em até 89% os riscos de internações e óbitos em pacientes não vacinados e com comorbidades.

O medicamento inibe a enzima protease, que o coronavírus utiliza para se multiplicar nas células humanas. Assim, o remédio paralisa a multiplicação viral e ajuda o organismo humano a se recuperar.

De acordo com a Pfizer, o Paxlovid deve ser ingerido duas vezes ao dia, por cinco dias, a partir do terceiro dia do surgimento de sintomas da Covid-19.

No entanto, o tratamento com o Paxlovid também requer a ingestão de outro remédio, o Ritonavir.

O Ritonavir, que já é usado no tratamento de HIV, aumenta a concentração do Paxlovid no sangue.

E também aumenta sua eficiência, de acordo com o coordenador de estudo sobre o Paxlovid no Brasil, Valdez Madruga.

“Os dados sugerem que nosso candidato a antiviral oral, se aprovado ou autorizado pelas autoridades regulatórias, tem o potencial de salvar a vida dos pacientes, reduzir a gravidade das infecções por Covid-19 e eliminar até nove em cada dez hospitalizações”, afirmou o presidente e CEO da Pfizer, Albert Bourla.

“Continuamos focados na ciência e cumprindo nossa responsabilidade de ajudar os sistemas e instituições de saúde em todo o mundo, garantindo um acesso igualitário e amplo às pessoas em todos os lugares”.

Valor

A Pfizer vai oferecer o remédio aos países mais pobres a preços mais baixos, de acordo, então, com o New York Times.

O laboratório negocia com o Medicines Patent Pool para que o remédio seja, portanto, produzido e vendido a preços acessíveis nestes países.

Ainda há outros dois estudos com o Paxlovid em andamento:

O primeiro testa a eficácia da droga em pessoas sem comorbidades. Já a segunda verifica a eficácia da droga como prevenção à Covid-19.

O Brasil é um dos países que realizam os ensaios clínicos.

No entanto, o alto índice de vacinação no País dificulta o avanço dos estudos, já que apenas não vacinados são parâmetro à pesquisa científica.

Antivirais

Outros remédios antivirais contra a Covid-19 também estão disponíveis:

A Merck produziu o Molnupiravir, cujo uso foi aprovado no Reino Unido, na Europa e aguarda aval da Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos.

O Remdesivir, aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), só pode ser ministrado a pacientes hospitalizados.

Fonte: Isto ÉDinheiro

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário