Pequenas e médias farmácias crescem com associativismo

Redes que atuam com associativismo junto com a Febrafar apresentaram alta de 19% no primeiro semestre de 2018 na comparação ao mesmo período de 2017

Em um primeiro momento a união de empresas de uma mesmo ramo de atuação pode parecer sem lógica, pois, essas deveriam ser concorrentes. Mas, o modelo de associativismo que vem sendo desenvolvido pela Federação Brasileira das Redes Associativistas e Independentes de Farmácias (Febrafar) está mostrando uma outra realidade, na qual a união faz com que se tornem mais competitivas e cresçam em conjunto.

A comprovação do sucesso do modelo é facilmente constatada bastando observar os números relacionados ao mercado farmacêutico. Em um rápido comparativo, as redes que atuam com associativismo junto com a Febrafar apresentaram juntas, no primeiro semestre deste ano, um crescimento no faturamento de 19%, em comparação ao mesmo período de 2017, enquanto todo mercado farmacêutico cresceu 12,6% em período semelhante.

Atualmente, fazem parte da Febrafar 58 redes que representam 9.757 lojas, distribuídas em 2.792 municípios em praticamente todo o País. O faturamento dessas lojas nos primeiros seis meses de 2018 foi de R$ 6,38 bilhões.

O que é associativismo e como possibilita tantos benefícios?

O associativismo é uma metodologia aplicável em empresas de qualquer segmento econômico, desde que utilizem a mesma matéria-prima, comercializem os mesmos produtos ou prestem o mesmo tipo de serviço.

Para tal, é necessário um grupo mínimo de empresas que, após estudos de viabilidade econômica, possa suportar os custos de implantação e de manutenção de uma central de negócios, marketing e serviços, apresentando-se, assim, como uma solução inovadora para resolver os problemas das pequenas e médias empresas.

“De maneira geral, empresas sozinhas não conseguem enfrentar a concorrência das grandes corporações. Por isso, o associativismo surge para fortalecer os pequenos e médios negócios, tornando-os competitivos, a fim de elevar o padrão de qualidade de seus produtos e serviços, minimizando custos e possibilitando seu acesso a novos mercados consumidores”, explica o presidente da Febrafar, Edison Tamascia.

O dito popular “a união faz a força” se encaixa perfeitamente na definição do que é associativismo – colaboração entre empresas com interesses em comum, a fim de obter vantagens econômicas e de gerenciamento, por meio de auxílio mútuo.

Juntos, os associados que incorporam o modelo de associativismo trabalham para reduzir os custos operacionais, obter melhores condições de prazo e preço, estratégias de vendas e estimular o desenvolvimento técnico e profissional dos colaboradores e empresários

Pontos relacionados ao associativismo

Parcerias: as parcerias com os fornecedores são essenciais para a implementação de ações promocionais nos estabelecimentos. Mas fortalecê-las é fundamental para o desenvolvimento do modelo de associativismo.

Conceito de loja: as recomendações da rede de associativismo quanto ao visual dos estabelecimentos têm proporcionado uma melhoria significativa no “conceito de loja” dos empresários, desde a fachada, o layout interno e externo, passando pela uniformização e aparência dos funcionários até a informatização e modernização de processos.

Competitividade: ao comprar bem e barato, maximizar e diversificar o mix de produtos, entender as reais necessidades dos clientes, superar suas expectativas, capacitar-se gerencialmente, viabilizar treinamentos para a equipe de colaboradores e organizar melhor o estabelecimento como um todo, as lojas que trabalham o associativismo tornam-se mais competitivas e ganham visibilidade no mercado.

Fonte: Jornal Dia a Dia – MS

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário