fbpx

Cloridrato de venlafaxina e carbolitium diminuem ou cortam o efeito do anticoncepcional Adoless®?

Adoless® é indicado na prevenção da gravidez. É um contraceptivo oral que combina dois hormônios, o etinilestradiol e o gestodeno. Embora tendo eficácia bem estabelecida, há casos de gravidez em mulheres utilizando contraceptivos orais.

Os contraceptivos orais combinados, como Adoless®, que possuem dois hormônios em sua composição, agem por supressão das gonadotrofinas, ou seja, pela inibição dos estímulos hormonais que levam à ovulação.

Embora o resultado primário dessa ação seja a inibição da ovulação, outras alterações incluem mudanças no muco cervical (que aumenta a dificuldade de entrada do esperma no útero) e no endométrio (que reduz a probabilidade de implantação no endométrio).

Para o uso racional de medicamentos e a segurança do paciente, a seleção do contraceptivo deverá ser realizada por um médico, já que há a necessidade da avaliação criteriosa de inúmeros fatores que poderão ser limitantes na utilização desse tipo de medicamento, que estão mencionados em bula como:

  • Adoless® não deve ser utilizado por mulheres que apresentem qualquer uma das seguintes condições: história anterior ou atual de trombose venosa profunda (obstrução de uma veia);
  • História anterior ou atual de tromboembolismo (obstrução de um ou mais vasos sanguíneos por coágulo);
  • Doença vascular cerebral (“derrame”) ou arterial coronariana;
  • Valvulopatias trombogênicas (alteração cardíaca que leva à formação de coágulos);
  • Distúrbios do ritmo cardíaco trombogênico (alteração do ritmo do coração que leva à formação de coágulos);
  • Trombofilias hereditárias ou adquiridas (distúrbios da coagulação com formação de coágulos);
  • Dor de cabeça com sintomas neurológicos tais como aura (sensações que antecedem crises de enxaqueca, que podem ser alterações na visão, formigamentos no corpo ou diminuição de força);
  • Diabetes com comprometimento da circulação;
  • Hipertensão (pressão alta) não controlada;
  • Câncer de mama ou outra neoplasia dependente do hormônio estrogênio conhecido ou suspeito;
  • Tumores do fígado, ou doença do fígado ativa, desde que a função hepática não tenha retornado ao normal;
  • Sangramento vaginal sem causa determinada;
  • História anterior ou atual de pancreatite associada à hipertrigliceridemia severa (inflamação do pâncreas com aumento dos níveis de triglicerídeos no sangue).

Em consulta à base científica de dados (Truven Health Analytics. MICROMEDEX®Solutions, Greenwood Village, Colorado, USA) não há interações entre os medicamentos mencionados pelo autor da pergunta. Entretanto, é importante salientar que o anticoncepcional utilizado pode interagir com outros medicamentos que poderá resultar em diminuição ou aumento de sua concentração sérica.

É sempre importante para o usuário ler as informações contidas em bula que, nesse sentido, traz informação sobre o uso concomitante de produtos com etinilestradiol e substâncias que podem diminuir as concentrações séricas de etinilestradiol, recomendando que um método anticoncepcional não-hormonal (como preservativos e espermicida) seja utilizado além da ingestão regular de Gestodeno + etinilestradiol (substância ativa).

Concentrações séricas mais baixas de etinilestradiol podem causar maior incidência de sangramento de escape e irregularidades menstruais e, possivelmente, reduzir a eficácia do contraceptivo oral combinado.

Após a descontinuação das substâncias que podem diminuir as concentrações séricas de etinilestradiol, recomenda-se o uso de um método anticoncepcional não-hormonal por, no mínimo, sete dias. Aconselha-se o uso prolongado do método alternativo após a descontinuação das substâncias que resultaram na indução das enzimas microssomais hepáticas, levando a uma diminuição das concentrações séricas de etinilestradiol. Às vezes, pode levar várias semanas até a indução enzimática desaparecer completamente, dependendo da dose, duração do uso e taxa de eliminação da substância indutora.

– Substâncias que podem interagir com o etinilestradiol: qualquer substância que seja capaz de reduzir o tempo do trânsito gastrintestinal porque diminuiria a absorção do fármaco.

– Substâncias indutoras das enzimas microssomais hepáticas, como rifampicina, rifabutina, barbitúricos, primidona, fenilbutazona, fenitoína, dexametasona, griseofulvina, topiramato, alguns inibidores de protease, modafinil.

– Hypericumperforatum (conhecido como erva de São João) e ritonavir.

– Alguns antibióticos (ampicilina, penicilinas tetraciclinas).

Há interações que poderão ocorrer, entretanto, com o aumento das concentrações séricas do etinilestradiol (por exemplo: atorvastatina, ácido ascórbico, paracetamol, indinavir, fluconazol, troleandomicina, ciclosporina, teofilina, corticosteroides).

Além das possíveis interações com outros medicamentos, o uso de anticoncepcionais (como Adoless®) combinados pode causar algumas alterações fisiológicas que poderão interferir nos resultados de exames laboratoriais como, por exemplo:

  • Parâmetros bioquímicos da função hepática (incluindo a diminuição da bilirrubina e da fosfatase alcalina), função tireoidiana (aumento dos níveis totais de T3 e T4 devido ao aumento da TBG [globulina de ligação à tiroxina], diminuição da captação de T3 livre), função adrenal (aumento do cortisol plasmático, aumento da globulina de ligação a cortisol, diminuição do sulfato de deidroepiandrosterona [DHEAS]) e função renal (aumento da creatinina plasmática e clearance de creatinina).
  • Níveis plasmáticos de proteínas (carreadoras), como globulina de ligação a corticosteroide e frações lipídicas/lipoproteicas.
  • Parâmetros do metabolismo de carboidratos;
  • Parâmetros de coagulação e fibrinólise.
  • Diminuição dos níveis séricos de folato.

Portanto, é sempre necessário se fazer avaliação de todos os medicamentos que são administrados porque poderão causar consequências em vários níveis de complexidade.

Essa pergunta foi realizada através do Guia da Farmácia Responde!
Envie também seus questionamentos e dúvidas para serem respondidos por consultores especializados e publicados aqui no portal Guia da Farmácia.

Ver dúvidasEnviar dúvida

Sobre o colunista

Maria Aparecida Nicoletti

Farmacêutica responsável pela Farmácia Universitária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP).

Deixe um comentário