Pesquisa Covid-19: 63% dos municípios vacinam adolescentes sem comorbidades

Os dados são da 26ª edição do estudo realizado pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), realizado entre os dias 20 e 23 de setembro

Adolescentes entre 12 e 17 anos sem comorbidades estão sendo vacinados contra a Covid-19 em 63% dos municípios brasileiros nesta semana.

Outros 37% imunizam pessoas entre 18 e 24 anos.

E menos de 1% acima dessa faixa etária. Os dados são da 26ª edição da pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Municípios (CNM).

A saber, o levantamento, realizado entre os dias 20 e 23 de setembro, ouviu 2.461 gestores municipais.

A pesquisa também mostrou, contudo, que 75% dos municípios mantiveram a vacinação de adolescentes mesmo após nota técnica do Ministério da Saúde (MS) publicada, então, na semana passada orientando a retirada desse grupo da campanha de imunização.

A CNM destaca que, na última quarta-feira (22) a pasta voltou, então, a recomendar a vacinação à faixa etária de 12 a 17 anos sem comorbidades.

No entanto, a decisão vai ao encontro do posicionamento técnico da Confederação, que divulgou nota reforçando a imunização de crianças e adolescentes, de acordo, então, com autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Reforço

Já a aplicação da dose de reforço em idosos teve início em 60% das cidades.

Dos que ainda não iniciaram, 84% afirmaram que já estão, portanto, organizados para iniciar essa vacinação.

Na semana passada, a pesquisa mostrou que essa imunização era uma realidade em 31% dos Municípios.

Suspensão de aulas

Esta edição da pesquisa trouxe uma nova questão para analisar a retomada das aulas pelos Entes locais.

De acordo com o levantamento, cerca de 78% dos municípios deram início às aulas presenciais, totalizando, portanto, 1.921 das cidades ouvidas.

Dessas, 23% já precisaram suspender aulas de pelo menos uma turma em função de casos de Covid-19.

Já outros 77% afirmaram que não tiveram de adotar esse tipo de medida até o momento.

Falta de imunizantes

Um em cada cinco municípios pesquisados ficaram sem imunizantes nesta semana, totalizando, portanto, 21% ou 508 localidades.

Desses, 45% apontaram que faltou vacina para a primeira dose, especialmente a da Pfizer (80%).

Já 70% dos gestores afirmaram que não conseguiram, então, completar o esquema vacinal da população por falta de imunizante.

Nesse caso, a vacina que apresentou a maior falta foi a Astrazeneca (96%).

Novos casos e óbitos  

Nesta semana, portanto, 1.830 (74%) Municípios não registraram óbitos pela doença. Outros 11% apontaram estabilidade; 8% queda; e 5% aumento.

Dessa maneira, os casos de internações também apresentaram cenário otimista:

59% municípios não tiveram novas internações; 16% estabilidade; 15% queda; e 7% aumento.

Quanto a novos casos confirmados, 25% dos municípios não registraram; 30% tiveram estabilidade; 24% queda; e 17% aumento.

No entanto, a variante Delta foi detectada em 13% dos municípios, percentual próximo ao registrado na semana passada, de 12,1%.

Medidas restritivas de circulação ou atividades econômicas ainda ocorrem, portanto, em 43% dos municípios nesta semana.

E, dessa maneira, 10% afirmaram que já editaram decreto no sentido de obrigar a vacinação para que se possa frequentar espaços coletivos.

Fonte: CNM

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário