Pesquisa inédita revela que 62% das mulheres internautas brasileiras já tiveram alguma gravidez não planejada

65% das mulheres que tiveram alguma gravidez não planejada concordam que se tivessem mais conhecimento sobre contraceptivos na época, poderiam ter evitado uma gravidez não planejada

Planejamento familiar, conhecimento e acesso a métodos contraceptivos modernos são fundamentais para garantir a independência e dignidade das mulheres. Como reflexo de um cenário ainda longe do ideal, o índice de gravidez não planejada no Brasil continua alto e alarmante: a recente pesquisa realizada pela Bayer, em parceria com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e conduzida pelo Inteligência em Pesquisa e Consultoria (IPEC) em agosto e setembro de 2021, revelou que 62% das mulheres internautas (isto é, quase 2/3) já tiveram pelo menos uma gravidez não planejada.

Em comparação com estudo anterior, realizado em 2011 e 2021, é possível ver um aumento em relação à taxa que, antes, era de 55%[1]. Ambas estão acima da média mundial, de 40%¹.

Os dados apontam, contudo, que 48% das mulheres que tiveram alguma gravidez não planejada engravidaram pela primeira vez entre os 19 a 25 anos de idade.

“A gente fala muito sobre a importância do planejamento familiar, que vale tanto para a mulher, quanto para o homem. Uma gravidez não planejada, claro, não significa necessariamente que o filho não seja desejado – muito pelo contrário. Mas, precisamos garantir que as mulheres possam decidir quando e com quem elas querem ter filhos. A maternidade tem impacto na vida pessoal, financeira e profissional. Entre as jovens, inclusive, também pode afetar os estudos,” explica a ginecologista, obstetra e Gerente Médica de Saúde Feminina na Bayer Brasil, Dra. Thais Ushikusa.

Saúde feminina

“Índices altos de gravidez não planejada estão diretamente ligados ao conhecimento e acesso a métodos contraceptivos. A Bayer, como líder em saúde feminina, acredita que devemos garantir que mulheres de todo o Brasil tenham acesso a métodos modernos para poderem escolher se e quando gostariam de ser mães”.

Conhecimento é palavra-chave

Os principais motivos apontados que levaram as mulheres a uma gravidez não planejada são não fazer uso de método (34%), falha do método (27%) e o uso de maneira errada (20%).

Além disso, apesar de 54% das mulheres não utilizarem métodos contraceptivos quando engravidaram sem planejar.

Por exemplo, hoje, 65% destas mulheres que tiveram alguma gravidez não planejada concordam que se tivessem mais conhecimento sobre contraceptivos na época, poderiam ter evitado a gravidez.

De acordo com a pesquisa, 53% das entrevistadas aprenderam sobre contracepção com a ginecologista ou outro profissional da saúde e 27% aprenderam na escola.

Além disso, 68% começaram sua vida sexual até os 18 anos.

66% não foram a uma ginecologista antes de ter a primeira relação (dentre as mulheres da classe C são 71%).

A pesquisa aponta, ainda, que as mulheres que não foram ao ginecologista antes de iniciar a vida sexual não sabiam (29%) que precisavam ir a um profissional e (27%) não foram porque tinham vergonha.

O levantamento também demonstrou que entre as mulheres que usam contraceptivos, 23% o fazem por conta própria (sem indicação de um especialista), 6% por indicação de um familiar, 2% amigos e 2% internet.

“A escolha do método contraceptivo deve ser sempre realizada em consultório com a devida orientação da ginecologista, pois, além de ser avaliado o método mais adequado de acordo com a saúde da mulher e seus planos familiares, as devidas orientações de como funciona, adaptações ao método e possíveis mudanças podem ser feitas de forma mais assertiva, promovendo um maior conhecimento e confiança entre as mulheres” explica  esclarece a ginecologista, professora titular do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Diretora de Defesa e Valorização Profissional da Febrasgo, Dra. Maria Celeste Osório Wender,.

Contraceptivos de longa ação: mais segurança e autonomia

Os métodos contraceptivos de longa ação, como DIUs hormonais, DIU de cobre e implante, têm, portanto, revolucionado a contracepção.

E também contribuído de forma positiva com o planejamento familiar das mulheres.

Apesar de ainda não serem os mais utilizados, 94% das mulheres entrevistadas concordam, portanto, que os métodos de longa ação trazem mais liberdade e autonomia.

“Os métodos contraceptivos de longa ação dão mais liberdade para as mulheres porque elas não precisam lembrar de utilizá-los diariamente. A colocação é simples e, no caso do DIU, desde que seja feito um acompanhamento para garantir que ele está no local correto, a mulher pode viver tranquilamente sabendo que a eficácia do método se mantém. Os métodos de longa ação têm eficácia comprovada de 99,2% a 99,9%[3] (dependendo do método). Tanto que a pesquisa mostrou que as mulheres que optam pelo contraceptivo de longa ação, a principal motivação (49%) é a segurança oferecida,” explica a Dra. Thais.

Métodos de longa duração para uma gravidez não planejada

Como uma solução para evitar gestações não planejadas entre as jovens, 93% das mulheres concordam que é necessário ampliar o acesso a informações sobre métodos contraceptivos de longa ação.

“A duração desses métodos varia de três a dez anos e é importante reforçar: contraceptivos de longa ação não são permanentes. Qualquer mulher pode utilizá-los, tanto as mais velhas como as mais jovens. O principal fator decisor vai ser justamente os planos familiares das mulheres: se elas não querem ter filhos nos próximos anos, os contraceptivos de longa ação são uma excelente opção. Hoje em dia, os contraceptivos de longa ação, como DIU hormonal e de cobre, já são amplamente cobertos pelos planos de saúde e disponíveis no SUS, com algumas exceções”, complementa Dra. Thais.

O estudo tinha como objetivo entender o cenário atual do Brasil em relação a gravidez não planejada.

Bem como o conhecimento e acesso das mulheres a métodos contraceptivos.

Ao todo, mil mulheres foram ouvidas, de todas as regiões do país, das classes A, B e C, que já tenham engravidado.

Ele foi realizado por meio de entrevistas online via painel de internautas, entre agosto e setembro de 2021.

Fontes: Febrasgo e Bayer

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário