Pesquisa mostra perfil do doador de sangue e plasma no Brasil

Com a pesquisa, Abbott quer inspirar ainda mais brasileiros a salvarem vidas

A Abbott, empresa global de cuidados para a saúde, realizou uma pesquisa inédita para encorajar a doação rotineira de sangue e plasma, entender quais são as principais barreiras e atrair ainda mais atenção para esta importante causa.

O levantamento ouviu cidadãos de 16 a 64 anos em oito países no primeiro trimestre de 2021. No Brasil, foram 1.052 entrevistados homens e mulheres entre 16 e 54 anos de todas as regiões.

“É uma pesquisa bastante rica, com recortes interessantes que nos ajudam a entender o perfil do doador brasileiro e devem colaborar com futuras ações e campanhas planejadas”, afirma o gerente médico da Divisão de Diagnósticos da Abbott no Brasil, Murilo Moura.

“A Abbott, como líder global em doenças infecciosas e diagnósticos, pode incentivar a doação de sangue e plasma, aumentando o número de doadores no país e educando a população para um assunto tão importante.”

Dados da pesquisa

Do total de entrevistados, 19% afirmam ser doadores regulares (que doam, pelo menos, 1 vez ao ano).

A saber, o perfil desse tipo de doador no Brasil é de homens entre 25 e 34 anos, de classe social média a alta, com ensino superior, casados e com renda fixa.

Doadores não regulares (consideradas pessoas que doaram pelo menos uma vez na vida) correspondem a 13% dos ouvidos na pesquisa.

Neste grupo, menos da metade são homens entre 16 e 24 anos, de classe social média a baixa, casados e com renda fixa.

Destaque para as mulheres

Os resultados mostraram que as mulheres são maioria entre os não doadores.

Elas representam 54% das pessoas que nunca doaram e não pretendem, então, doar no futuro.

Ainda de acordo com os resultados, elas têm idade entre 16 e 44 anos, de classe social intermediária a baixa, com renda fixa e não são casadas.

Outras descobertas sobre o perfil do doador brasileiro incluem:

  • 9% disseram que doam apenas quando solicitadas (em casos de necessidade de familiares ou conhecidos). O perfil deste grupo é de homens entre 45 e 54 anos, de classe social média a alta, casados e com renda fixa.
  • 48% afirmam que a ação não faz parte da rotina. Por aqui, a principal motivação para que as pessoas doem sangue é quando surgem desastres ou acontecimentos que gerem, portanto, comoção pública.
  • 22% doam apenas pontualmente, ou seja, quando algum conhecido ou familiar precisa de ajuda.

O estudo também revelou, todavia, que os brasileiros sabem da importância da doação.

No entanto,  não compreendem bem o assunto.

Dessa maneira, entre as principais preocupações, os respondentes destacaram:

Não saber para onde o sangue vai e a quantidade coletada.

O medo e o desconforto também são os sentimentos mais expressos, visto que a doação de sangue no Brasil é pouco frequente.

A pesquisa ainda aponta que a pandemia impactou nas doações de sangue no Brasil e revela que apenas 21% afirmam ter continuado a doar no período.

Abbott e Real Madrid se unem para apoiar a saúde e a nutrição de crianças em todo mundo 

Fonte: Abbott

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário