Pesquisa sobre hipotireoidismo mostra que ainda falta informação sobre a doença

O levantamento revelou que as principais dificuldades para o diagnóstico são o desconhecimento da doença e a demora para procurar ajuda médica

Em 25 de maio acontece o Dia Internacional da Tireoide. A data foi criada para conscientizar a população da importância do diagnóstico precoce e tratamento das doenças tireoidianas.

Essa glândula produz hormônios que são essenciais para o funcionamento do organismo em todas as etapas da vida. 

O hipotireoidismo é a doença mais frequente da tireoide. Ela, então, ocorre quando a glândula produz o hormônio tiroidiano em quantidades insuficientes.

Trata-se de uma enfermidade muito comum, que afeta de 8% a 12% dos brasileiros, principalmente mulheres e idosos1.

Pesquisa da Abbott sobre o hipotireoidismo 

Para ajudar as pessoas com hipotiroidismo a terem mais qualidade de vida e entender quais as principais barreiras para o tratamento, a Abbott, encomendou uma pesquisa nacional com 300 especialistas, entre eles, endocrinologistas, cardiologistas e ginecologistas.

A saber, o levantamento foi realizado entre 1 e 11 de fevereiro deste ano pela Inception.

O levantamento trouxe achados sobre o perfil dos pacientes e, principalmente, o desconhecimento dos sintomas e a demora para buscar ajuda médica.

A grande maioria é do sexo feminino (87%), com 40 anos em média.

Entre as principais comorbidades associadas ao hipotireoidismo, os especialistas apontaram a obesidade (84%), dislipidemia (74%), hipertensão (67%) e diabetes (61%).

Os sintomas mais comuns citados foram cansaço (89%), sonolência (82%), ganho de peso (82%) e queda de cabelo (72%).

No entanto, os profissionais de saúde alegaram que muitos dos pacientes (59%) são assintomáticos.

Apesar do endocrinologista ser o profissional mais indicado para o tratamento do hipotireoidismo, eles costumam receber pacientes de outras especialidades, principalmente de ginecologistas (89%) e cardiologistas (83%).

Dessa maneira, outro achado importante da pesquisa foi que os pacientes demoram cerca de 6 meses para buscar ajuda médica após o início dos sintomas.

Na percepção dos especialistas, isso se deve ao desconhecimento das pessoas sobre os sintomas da doença e pelo fato da maioria dos pacientes ser assintomática.

Já com a confirmação da doença, os médicos revelaram, então, que reforçam, então, sobre a importância de tomar o medicamento em jejum, principal dificuldade citada pelos pacientes para aderirem ao tratamento.

Referência:

1 – Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). 2019. Disponível em: https://www.sbemsp.org.br/imprensa/releases/497-tireoide-seus-mitos-e-suas-verdades

Fonte: Abbott

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário