PL que proíbe venda de medicamentos fora de farmácias é aprovado em 1º votação

A propositura deve agora seguir para segunda votação em plenário, para, então, ser encaminhada à sanção do prefeito de São Paulo

O PL 615/2018, de autoria do vereador Gilberto Natalini, que proíbe a venda de qualquer medicamento em mercados, supermercados, conveniências e estabelecimentos similares na cidade de São Paulo, foi aprovado pela Câmara dos Vereadores em primeira votação durante sessão extraordinária realizada em 25 de junho. A propositura deve agora seguir para segunda votação em plenário, para, então, ser encaminhada à sanção do prefeito de São Paulo.

No texto do projeto, o vereador Natalini, que é médico, justifica que “a questão dos medicamentos no Brasil é paradoxal: por um lado, a população sofre com a falta de acesso ao medicamento, por outro, há o consumo irracional estimulado pela automedicação e pela concepção errônea de medicamento como simples mercadoria, isenta de risco. Porém, é um grande equívoco afirmar que a maior capilaridade de disponibilização de medicamentos será uma solução para saúde da população, pois o que garante saúde é qualidade de atendimento agregada à orientação adequada sobre o uso racional de medicamentos. Sendo assim, é de suma importância observar que os medicamentos devem ser disponibilizados à população acompanhados de orientação por um profissional habilitado”.

A elaboração do PL 615/2018 contou com a assessoria direta de farmacêuticos como o Dr. Carlos Eduardo Morales, delegado regional da Seccional Centro/Leste do CRF-SP, e do Dr. Wagner Sela, proprietário de drogaria da Zona Sul da capital.

PL 615/2018: venda de medicamentos fora da farmácia

Dr. Morales conta que, preocupado com o crescente interesse de iniciativas por parte de parlamentares em todo o Brasil de regulamentar a venda de medicamentos em locais que não sejam de saúde, procurou um colega do varejo farmacêutico, o Dr. Wagner Sela, e propôs apresentar o problema ao vereador Gilberto Natalini.

“Como farmacêutico, procurei ver a melhor maneira de evitar que isso ocorra por aqui, em defesa do uso racional de medicamentos; afinal de contas, desde 2014, a farmácia é um estabelecimento de saúde por meio da Lei 13.021. Mostramos ao vereador os problemas que poderiam ocorrer em casos de venda de medicamentos sem a presença do farmacêutico. Ele acolheu bem nossa aflição, até por ser médico, e o resultado foi que o PL 615 foi apresentado em 2018, e agora aprovado em primeira votação. Desde o início recebemos todo o apoio da diretoria do CRF-SP para seguir com essa propositura. Estamos defendendo a assistência farmacêutica e o uso racional de medicamentos”, declarou o Dr. Carlos Eduardo Morales.

Na avaliação do Dr. Wagner Sela, mais do que uma luta corporativa, a defesa do PL 615/2018 representa o interesse da saúde pública. “Se nós considerarmos que cerca de R$ 60 bilhões são gastos anualmente em decorrência do uso indevido de medicamentos (dados do Ministério da Saúde), já considerando a forma de dispensação pelas farmácias do Brasil inteiro, então, se houver uma permissão para que nos medicamentos sejam comercializados em supermercados, haverá uma oferta maior para a população e isso aí certamente acarretará em gastos maiores por parte do Sistema Único de Saúde em relação a reações adversas, à falta de adesão de tratamento, e erros de doses”.

Os riscos dos medicamentos em supermercados

 

Foto: Shutterstock
Fonte: Comunicação do CRF-SP
Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário