Por que o HIV cresce entre a população da terceira idade?

De acordo com o Ministério da Saúde, mulheres na terceira idade, a partir dos 60 anos, são as que têm apresentado o maior aumento no número de casos de HIV

Dados do último boletim epidemiológico HIV / Aids divulgado pelo Ministério da Saúde mostram que no Brasil, nos últimos dez anos, o número de pessoas da terceira idade com HIV cresceu 103%. E isso se deve a vários fatores relacionados à vida sexual da população dessa faixa etária, desde o aumento da maior expectativa de vida em geral até a proliferação, nos últimos anos, do uso de medicamentos para disfunção erétil. Fatores esses que fazem com que esses indivíduos se mantenham sexualmente ativos por mais tempo.

“Porém, como se trata de uma geração que, muitas vezes, não aderiu à cultura do uso do preservativo, a incidência do HIV tem aumentado. Assim, indicando a necessidade de se aprofundar a discussão sobre esse assunto junto a essa faixa da população”, explica o infectologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, João Prats.

Trabalhar o uso de métodos preventivos com idosos precisa ser algo constante. “Ainda que seja explorada cada vez mais frequentemente por essa faixa da população, a sexualidade ainda é um assunto delicado entre os mais idosos, especialmente em relação ao uso da camisinha. A baixa adesão a esta e a outras medidas preventivas contribui para aumentar o risco de contágio não somente pelo HIV, mas também por outras infecções sexualmente transmissíveis (IST)’’, alerta o médico.

Diferencial do tratamento

Os avanços da ciência são capazes de manter a qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV. Porém, o tratamento de idosos requer uma atenção extra, pois muitas vezes existem outras condições de saúde que devem ser tratadas ao mesmo tempo. “Os cuidados para esse grupo são diferenciados. Isso porque são combinados os medicamentos para o HIV com aqueles de outras doenças crônicas como o diabetes, a hipertensão arterial e para o controle do colesterol. O ideal é sempre tratar cada paciente de forma personalizada para que se obtenha o melhor resultado e com o mínimo de efeitos colaterais.”, informa.

Além disso, assim como os mais jovens, os idosos que vivem com o HIV e que fazem o tratamento de maneira correta podem tem uma vida normal. “Ele poderá levar a vida cotidiana normalmente. O importante é não abandonar o acompanhamento, tomar regularmente os medicamentos e manter um estilo de vida saudável”, reforça o especialista.

Foto: Shutterstock
Fonte: BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário