fbpx

Possível cura do HIV é alcançada no segundo paciente

Tratamento foi dirigido para a remissão de um câncer, mas acabou tendo sucesso nesta segunda doença

Uma segunda pessoa sofreu remissão sustentada do HIV-1 após cessar o tratamento, relata um artigo liderado por pesquisadores da University College London (UCL) e do Imperial College London. O relato do caso, publicado na revista Nature e realizado com parceiros da Universidade de Cambridge e da Universidade de Oxford, ocorre dez anos após o primeiro desses casos, conhecido como “Paciente de Berlim”.

Ambos os pacientes foram tratados com transplantes de células-tronco de doadores portadores de uma mutação genética que impede a expressão de um receptor de HIV CCR5. O paciente do novo estudo está em remissão por 18 meses após a interrupção da terapia anti-retroviral (ARV). Os autores dizem que é muito cedo para dizer com certeza que ele foi curado do HIV, e continuará a monitorar sua condição. “No momento, a única maneira de tratar o HIV é com medicamentos que suprimem o vírus, que as pessoas precisam tomar por toda a vida, colocando um desafio particular nos países em desenvolvimento”, disse o principal autor do estudo, o professor Ravindra Gupta (UCL, UCLH e University of Cambridge). “Encontrar uma maneira de eliminar completamente o vírus é uma prioridade global urgente, mas é particularmente difícil, porque o vírus se integra aos glóbulos brancos do hospedeiro”.

Veja Mais

Hoje, cerca de 37 milhões de pessoas vivem com o HIV em todo o mundo, mas apenas 59% estão recebendo ARV, e o HIV resistente a medicamentos é uma preocupação crescente. Quase um milhão de pessoas morrem anualmente de causas relacionadas ao HIV.

Tratamento utilizado que trouxe a cura do HIV

No caso anunciado esta semana, o câncer hematológico (de sangue), era um linfoma, num paciente que também tinha a doença. O tratamento escolhido pelos médicos foi um transplante de medula óssea, que inicialmente foi dirigido para curar o linfoma e que, aparentemente, acabou curando a Aids também. No transplante, os médicos primeiro retiram a medula óssea de um doador.

Este paciente é a segunda pessoa documentada a estar em remissão sustentada sem ARV. O primeiro, o paciente de Berlim, também recebeu um transplante de células-tronco de um doador com dois alelos CCR5 32 32, mas para tratar a leucemia. Diferenças notáveis ​​foram que o paciente de Berlim recebeu dois transplantes e foi submetido a irradiação total do corpo, enquanto o paciente do Reino Unido recebeu apenas um transplante e menos quimioterapia intensiva.

“Ao alcançar a remissão em um segundo paciente usando uma abordagem semelhante, mostramos que o Paciente de Berlim não era uma anomalia, e que foram realmente as abordagens de tratamento que eliminaram o HIV nessas duas pessoas”, disse o professor Gupta. Os pesquisadores advertem, entretanto, que a abordagem não é apropriada como tratamento padrão para o HIV devido à toxicidade da quimioterapia, mas oferece esperança para novas estratégias de tratamento que possam eliminar completamente o HIV.

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: Shutterstock

20% das brasileiras não cuidam adequadamente da saúde sexual

Sobre o autor

Guia da Farmácia

Premiado pela Anatec na categoria de mídia segmentada do ano, o Guia da Farmácia é hoje a publicação mais conhecida e lembrada pelos profissionais do varejo farmacêutico. Seu conteúdo diferenciado traz informações sobre os principais assuntos, produtos, empresas, tendências e eventos que permeiam o setor, além de Suplementos Especiais temáticos e da Lista de Preços mais completa do mercado.

Deixe um comentário