Prati-Donaduzzi e Centralpack evitam a emissão de 7,8 mil toneladas de CO2 na atmosfera

A Prati-Donaduzzi e a Centralpack utilizaram fontes renováveis como a energia eólica e a solar em sua produção, evitando a emissão de 7,8 mil toneladas de CO2 na atmosfera

Com o uso de energia incentivada, a farmacêutica Prati-Donaduzzi e a indústria de embalagens Centralpack, ambas com sede em Toledo (PR), deixaram de emitir mais de sete mil toneladas de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera. O levantamento foi feito e divulgado pela Comerc Energia e Sinerconsult.

De acordo com o estudo, caso as empresas utilizassem fontes convencionais, para neutralizar o causador do efeito estufa, seria necessário plantar mais de 58 mil árvores em um projeto de reflorestamento com duração de 30 anos.

Somente a Prati-Donaduzzi, evitou a emissão de mais de sete mil toneladas de dióxido de carbono (CO2). Já a Centralpack, que integra o Grupo Prati-Donaduzzi, deixou de emitir 800 toneladas.

Entre as fontes renováveis utilizadas pelas empresas, estão: energia eólica (força dos ventos), solar (luz e do calor do Sol) e biomassa (matéria orgânica).

Energia incentivada

A iniciativa chegou a receber certificado da Comerc Energia e Sinerconsult que adotam uma metodologia de cálculo desenvolvida nos Estados Unidos pelo World Resources Institute (WRI). O método utilizado pelas instituições segue a mesma linha utilizada por empresas, Organizações Não Governamentais (ONGs) e governos.

O engenheiro eletricista da Prati-Donaduzzi, Renan Augusto Taborda, explicou que a farmacêutica é considerada consumidora livre e poderia escolher o fornecedor de eletricidade, mas opta pela energia incentivada.

De acordo com o gerente de engenharia da farmacêutica, Fernando Zimmermann, atualmente 100% da energia utilizada na indústria de medicamentos e embalagens provem de fontes alternativas, a chamada energia limpa.

“As empresas do Grupo Prati-Donaduzzi tem grande preocupação com o meio ambiente. Receber esse certificado é sinônimo de orgulho. Afinal, demonstra que estamos comprometidos não apenas com produção de medicamentos, mas também com a sustentabilidade do planeta”, disse Zimmermann.

De acordo com diretor da Centralpack, Victor Donaduzzi, um dos pilares da corporação é o compromisso e o respeito com o meio ambiente. “No mundo globalizado é importante pensarmos nas questões ambientais. Se cada empresa fizer a sua parte daremos cada vez mais um passo para o futuro e, consequentemente, para as próximas gerações”, completou Donaduzzi.

A Centralpack, indústria de embalagens que integra o Grupo Prati-Donaduzzi, também faz o uso de energia incentivada. Nos três últimos anos a empresa reduziu mais de 800 toneladas de dióxido de carbono. Dessa forma, equivalendo a quase seis mil árvores em um projeto de reflorestamento com duração de 30 anos.

Foto: Grupo Prati-Donaduzzi
Fonte: Grupo Prati-Donaduzzi

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário