PDV

Quais as categorias que mais aumentaram as vendas no e-commerce e delivery das farmácias durante a pandemia

A quantidade e os itens adquiridos por e-commerce ou delivery são diversificados, dependendo das características e necessidades em saúde do momento vivido

A pandemia COVID-19, no Brasil, começou no início de 2020, quando ainda não se tinha muita informação a respeito do coronavírus SARS-CoV-2, o que gerou uma grande preocupação a todos os brasileiros e à população mundial, onde esse vírus se expandiu de maneira vertiginosa. Entretanto, algumas orientações de protocolo de segurança para a contenção da transmissão, envolviam o lockdown, o que gerou suspensão de inúmeras atividades e serviços em todo o mundo. Houve uma necessidade urgente de readequação mundial no fornecimento de serviços e produtos.

Uma das soluções para a situação foi a intensificação na diversificação de produtos e serviços com a disponibilização de ferramentas de aquisição como o e-commerce e delivery, que tiveram um crescimento exponencial no fornecimento dos itens de necessidade. Desde o início da pandemia, passamos por diferentes fases em função do conhecimento científico que era compartilhado intensamente, com as novas descobertas dos estudos realizados mundialmente. Particularmente, logo no início, com a informação de que pessoas idosas, portadoras de comorbidades como diabetes, obesidade e hipertensão eram as mais suscetíveis, gerou uma busca maior por e-commerce e delivery.

Além disso, desde o início da pandemia COVID-19, como protocolo de segurança, envolvia o uso de máscaras, utilização de álcool-gel a 70% ou álcool a 70%, e outros produtos como antissépticos e, também, como desinfetantes dependendo do local onde eram aplicados, sabonetes, outras medidas que estavam vinculadas à necessidade de desinfeção e higienização, aumentou a procura por esses produtos.

Vendas das categorias

Portanto, essas categorias foram intensamente adquiridas, gerando, inclusive, desabastecimento no mercado, até o momento em que o mercado se normalizou no abastecimento. Deve ser salientado que, os produtos mais adquiridos pelo e-commerce e delivery tiveram muitas flutuações em relação ao tipo de produto considerando as diferentes fases de controle estabelecidas pelos diferentes municípios e estados do País, diante do cenário heterogêneo vivenciado em diferentes localidades com as variantes, inclusive, com a introdução concomitante do vírus influenza A H3N2.

Algumas pesquisas de mercado que foram publicadas, em geral, não trazem dados específicos dos itens comercializados por e-commerce ou delivery, mas trazem totalizados, de modo geral, na loja física, e-commerce e delivery conjuntamente, onde salientam a maior busca em 2021 por medicamentos antidepressivos, medicamentos analgésicos e medicamentos para o sistema digestivo. Outros tutoriais avaliaram o cenário geral de itens comercializados na internet e verificaram que, também, produtos de higiene e cosméticos foram muito procurados.

Segundo a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias – Abrafarma (houve um aumento nas operações de delivery e e-commerce no Brasil, o que resultou em um aumento de 56,8%). Saliente-se também que em janeiro de 2022, houve um aumento das compras online de inaladores e nebulizadores considerando a estação do ano e a entrada da gripe do vírus influenza A H3N2. Portanto, a quantidade e os tipos itens adquiridos por e-commerce ou delivery são diversificados dependendo das características e necessidades em saúde do momento vivido.

categorias-vendas

Fonte: Farmacêutica responsável pela Farmácia Universitária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USPMaria Aparecida Nicoletti

Fotos: Shutterstock e Divulgação

 

13 passos para montar um e-commerce para farmácia 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário