Destaques & lançamentos

PDV

Quais as principais diferenças entre e-commerce, loja virtual e Market Place? Qual o melhor modelo para utilizar na minha farmácia?

As alterações de modelos de negócio a serem implantadas dependem da avalição mercadológica do local onde está a farmácia e investimento disponível

Existem vários tipos de e-commerce disponibilizados e, provavelmente, outros tipos serão desenvolvidos continuamente para o atendimento das diferentes gestões de negócios. As lojas online para a venda de produtos e serviços a consumidores finais é o modelo mais conhecido pela população e é um dos mais tradicionais.

As ferramentas de e-commerce são variáveis em relação a vários aspectos como custo, vantagens e desvantagens e, por essa razão a decisão deve passar por um estudo inicial para ver quais metas o gestor deseja atingir e qual parcela da população seria interessante alcançar.

É preciso esclarecer que marketplace e loja virtual são canais de venda pela internet. Apesar de serem semelhantes apresentam características distintas. A loja virtual é um modelo de negócio que representa uma única empresa, diferentemente do marketplace que várias empresas estão reunidas, para a comercialização de seus produtos e serviços, em um único portal.

O marketplace apresenta algumas vantagens como menor custo, maior divulgação da empresa, pois atinge a um público muito maior, ou seja, uma maior visibilidade da empresa.

Já a loja virtual apresenta como vantagens  a possibilidade do gestor em modificar o layout, adicionar ferramentas, entre outras medidas personalizadas para o seu público-alvo, a caracterização da empresa com maior margem de lucro considerando que não haverá intermediadores.

Portanto, a diferença básica entre marketplace e loja virtual está relacionada aos recursos e à visibilidade que cada um poderá oferecer. O gestor poderá se utilizar das duas ferramentas, se assim achar necessário.

É preciso saber, entretanto, que há desvantagens nas duas ferramentas. No caso do marketplace o gestor estar suscetível à mudança de regras, aumento das taxas, porcentagem sobre vendas e comissões aumentando o seu gasto financeiro envolvido. Por outro lado, a loja virtual precisará ser impulsionada para aumentar o público, ou seja, para atrair visitantes e possíveis clientes, o gestor deverá investir em campanhas de divulgação e marketing.

Cabe ao gestor estudar quais são suas metas e o quanto do financeiro está disponibilizado para este investimento em comércio eletrônico porque qualquer ferramenta utilizada terá vantagens e desvantagens a serem equacionadas e, caberá, uma análise detalhada do modelo de negócio para sustentar a decisão a ser tomada.

Para qualquer alteração no modelo de atuação da farmácia, deverá haver um planejamento estratégico. Portanto, as alterações de modelos de negócio a serem implantadas dependem da avalição mercadológica do local onde está a farmácia e, investimento disponível.

loja-virtual-Market-PlaceFonte: Farmacêutica responsável pela Farmácia Universitária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, Maria Aparecida Nicoletti, com exclusividade para o portal Guia da Farmácia.

Fotos: Shutterstock e Divulgação

 

 

O corpo fala e o farmacêutico deve aprender a ouvi-lo para um bom atendimento 

 

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário