Quais os produtos permitidos no checkout da farmácia?

Esse foi um dos temas discutidos durante o evento Checkout Farma, promovido, ontem, pela Contento

Promovido ontem (24) pela Contento Comunicação, o evento Checkout Farma reuniu indústrias, consultores e diversos especialistas do varejo farma para debater estratégias em torno de como potencializar as vendas da área do caixa da loja.

Um dos painéis mostrou algumas novidades do setor, aproveitando o fato de que a área do checkout é movida por inovação e onde o consumidor busca por lançamentos.  Nesse sentido, o gerente de trade marketing da Fini, André Ferreira, além de mostrar o potencial do setor de bomboniere, também apresentou as novidades da empresa, que aliam saudabilidade e sabor.

Entre elas, as balas de vitamina C Kids, preparadas com açúcar demerara, sem glúten e corantes, e com licenciamento dos personagens Minions, da Universal; e as balas de gelatina FINI SUN, com sabor tangerina e cenoura. Sua fórmula é enriquecida com betacaroteno, substância que é convertida em vitamina A, importante antioxidante que auxilia na proteção dos efeitos nocivos dos radicais livres que envelhecem a pele, a mantendo saudável. O betacaroteno também colabora com formação da melanina, responsável pela pigmentação da pele.

Mercado de pilhas

No painel seguinte, o gerente de marketing da Panasonic, Luciano Lima, apresentou a força do mercado de pilhas, produto já explorado no checkout de algumas farmácias. Ele destacou, por exemplo, que a rentabilidade com esses produtos varia entre 45% e 60%, sendo bastante relevante aos negócios. “Em faturamento, vemos que as pilhas estão em constante crescimento. Nos últimos cinco anos, esse mercado cresceu 39%, segundo a Nielsen. E boa parte desses resultados se deve às pilhas alcalinas”, destacou Lima, mostrando outros insights sobre esse setor:

– Por conta da migração de devices grandes para os menores, as vendas são concentradas nas pilhas pequenas e palito;

– 81% das compras de pilhas são por impulso;

– Pilhas confinadas não vendem. Elas precisam estar visíveis ao consumidor;

– 22% dos shoppers usam o canal farma para comprar a categoria;

– Há uma tendência pela busca de packs maiores, com quatro ou seis unidades;

– O shopper desses produtos é formado por homens e mulheres, entre 18 e 54 anos;

– Somente 10% dos shoppers são sensíveis ao preço da categoria na hora da compra

Trâmites regulatórios

A advogada jurídica da Fini Brasil, Amanda Araújo, expôs as dificuldades que as farmácias podem encontrar para identificar o que pode e o que não pode ser vendido em cada loja. Ela explicou que o Brasil conta com uma lei federal, de 1973, que trata do comércio de medicamentos, insumos farmacêuticos, entre outros, mas não é específica em relação à artigos de conveniência. Dessa forma, cada Estado (ou município) cria suas próprias regras e por isso elas podem variar entre os estabelecimentos farmacêuticos. “Dependendo do município, se pode ter uma lei que proíba o que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) permite. Há muitas divergências”, comentou. Mas, de modo geral, a orientação é seguir a lei estadual que tende a prevalecer entre as leis municipais.

Case de sucesso no checkout

O diretor da Desenvolva Consultoria e Treinamento, Marcelo Cristian, convidou, para o último painel do dia, a equipe da Poupa Mais, para que mostrassem o trabalho que desenvolvem na área de checkout das lojas da rede. Estiveram presentes o supervisor José Alberto Zázzera de Moraes; e os compradores Tiago Scocca Donação e Paola Carolina Risseto.

Moraes reforçou os pilares básicos trabalhados em todas as unidades. “Nossas bases para converter vendas são organização, treinamento constante da equipe e precificação dos produtos”, enumerou. Na sequência, Paola mostrou as principais dificuldades sentidas no dia a dia para o abastecimento da área. “O espaço físico é um grande entrave. Muitas vezes, recebemos displays da indústria ou queremos expor alguma nova categoria de produtos, mas não temos onde alocá-los”, disse. Ela reforçou, ainda, a importância de experimentar o que tem ou não boas vendas em cada loja, já que cada região tende a apresentar um mix e necessidades diferenciadas do shopper.

Tiago Donação salientou os cuidados com a exposição. “Por ser um espaço restrito, temos de ter a cautela de não colocar produtos onde o cliente possa esbarrar, o que pode constrangê-lo. Além disso, a reposição deve ser constante para evitar rupturas, já que o giro é alto”, finalizou.

Fonte: Guia da Farmácia

Fotos: Felipe Perazzolo

Aumente as vendas da farmácia pelo checkout

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário