Quais são os tratamentos indicados para o alcoolismo?

Terapia deve ser multimodal, envolvendo medicamentos, suporte psicológico e social

O alcoolismo está na Classificação Internacional de Doenças (CID-10), da Organização Mundial da Saúde (OMS) e é descrito como um conjunto de fenômenos comportamentais, cognitivos e fisiológicos que se desenvolvem após o uso repetido de álcool. Entre os sintomas mais comuns estão: forte desejo de beber, dificuldade de controlar o consumo (não conseguir parar de beber depois de ter começado), uso continuado apesar das consequências negativas, maior prioridade dada ao uso da substância em detrimento de outras atividades e obrigações, aumento da tolerância e possível estado de abstinência física.

De acordo com a farmacêutica responsável pela Farmácia Universitária da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP), Maria Aparecida Nicoletti, o tratamento do alcoolismo deve ser multimodal e pode envolver, além do medicamento, suporte psicológico e social. “Como todos os demais medicamentos, aqueles utilizados para o alcoolismo também apresentam reações adversas, contraindicações, interações medicamentosas e, portanto, para cada um deles é necessária a realização de uma avaliação criteriosa da condição do paciente e os riscos de cada medicamento”, acrescenta.

Entre os fármacos disponíveis para o tratamento do alcoolismo, estão:

Dissulfiram: é um dos mais antigos usados para este fim, entretanto, o indivíduo deve consentir sua utilização e deve ter conhecimento prévio das reações desagradáveis que pode provocar quando ingerido com bebidas alcoólicas. Pode causar o efeito “antabuse”, caracterizado por rubor facial, cefaleia, aumento da frequência respiratória, dor no peito, sudorese, náusea e vômitos. Em função das manifestações decorrentes de sua administração em presença de álcool, o indivíduo se sente desestimulado considerando as reações desagradáveis que terá se ingerir álcool.

Naltrexona: é um fármaco análogo sintético da oximorfina, usado como antagonista opioide, na dependência do alcoolismo. Inibe o consumo de álcool mediante o bloqueio pós-sináptico de determinados receptores opioides nas vias mesolimpicas. O mecanismo de ação no alcoolismo ainda não está completamente esclarecido, mas é sugerido o envolvimento do sistema endógeno opioide, cujo objetivo é inibir o consumo de álcool mediante o bloqueio pós-sináptico de determinados receptores opioides nas vias mesolimpicas. O medicamento é capaz de inibir a região do cérebro que interpreta o uso de drogas ou o consumo de álcool como um prazer.

Acomprosato: corrige a atividade inibidora GABAérgica, previamente desequilibrada. Além disso, inibe o sistema excitatório com pensador, representado pelo glutamato. É inibidor da atividade excitatória glutamatérgica, tendo efeitos terapêuticos sobre mecanismos envolvidos no alcoolismo.

Fonte: Guia da Farmácia

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário