Raia Drogasil e DPSP podem juntar seus comprimidos

A operação pode dar origem a um conglomerado com mais de 3,5 mil drogarias

A Raia Drogasil e a DPSP (Drogarias Pacheco São Paulo) estariam mantendo conversações para uma possível associação. A operação pode dar origem a um conglomerado com mais de 3,5 mil drogarias, faturamento superior a R$ 36 bilhões e um Ebitda da ordem de R$ 2,5 bilhões. Na prática, seria uma aquisição em pele de fusão.

De acordo com a fonte, os acionistas da Raia Drogasil – as famílias Galvão, Pires Oliveira Dias e Pipponzi – ficariam com uma participação maior na nova empresa. A dosagem societária refletiria a diferença de tamanho entre as duas redes.

A Raia Drogasil tem exatamente o dobro da receita da DPSP – R$ 24,1 bilhões, contra R$ 12 bilhões em cifras do ano passado. Procuradas pelo RR, Raia Drogasil e DPSP não quiseram se pronunciar.

Trata-se de uma negociação complexa, a começar pelo Cade.

Raia Drogasil e DPSP são, respectivamente, líder e vice-líder no ranking do setor. No caso de um M&A, a nova companhia passaria a dominar mais de 25% das vendas no varejo farmacêutico. Provavelmente teria de entregar alguns anéis – como, por exemplo, a venda de drogarias em algumas regiões do país – para que a operação fosse aprovada.

Outra dificuldade é atender aos interesses cruzados da miríade de sócios de parte a parte, notadamente da DPSP, que reúne mais de 20 acionistas no bloco de controle.

No caso da Pacheco São Paulo, por exemplo, não é de hoje que seus donos buscam um novo investidor ou mesmo um comprador para o negócio. No passado recente, houve conversas com o grupo mexicano Femsa.

Fonte: Relatório Reservado

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário