RaiaDrogasil completa 10 anos de fusão com 2,4 mil lojas e planos de crescer mais

Em uma década, o número de farmácias saltou de 776 para 2.414

A Raia Drogasil (RD) completou dez anos desde a fusão entre as duas maiores redes de farmácias do País no último dia 11 e se consolidou como um nome praticamente imbatível no varejo farmacêutico, presente em todos os Estados do País.

Em uma década, o número de farmácias saltou de 776 para 2.414. E a empresa também ampliou sua projeção de abertura de novas lojas para 2022, passando de 240 para 260.

“A fusão entre a Raia e a Drogasil foi uma das poucas e a mais bem-sucedidas entre grandes varejistas do Brasil até hoje, e continua sendo bem-sucedida”, afirma o sócio da consultoria especializada em varejo Mixxer, Eugênio Foganholo. “Havia grande complementaridade entre as empresas, embora houvesse posicionamento e estilos de gestão diferentes. E havia a oportunidade de um início de consolidação no mercado brasileiro de farmácias.”

Fusão Raia Drogasil

Em 2011, quando a fusão entre a Drogasil e a Droga Raia era discutida, as empresas ultrapassaram, então, a gigante formada pela união da Drogaria São Paulo com a Drogão, ocorrida, então, em 2010.

Com a fusão das operações, elas criariam então uma gigante com cerca de R$ 4,7 bilhões de faturamento anual.

A saber, atualmente, no acumulado de 12 meses, a empresa registra um faturamento de R$ 24,6 bilhões.

De acordo com o  CEO da RD, Marcilio Pousada, desde julho de 2013, a estratégia traçada pela companhia sempre foi o foco no longo prazo e na entrega de qualidade da operação, não apenas em quantidade.

“Se você olhar o mercado físico de farmácias, fizemos o que dava para ser feito. Os outros tentaram também, mas conseguimos fazer isso com o foco no longo prazo. Nunca vimos o meio como fim, por exemplo, querer estar presente no Brasil inteiro: as coisas foram acontecendo”, afirma ao Broadcast.

Uma década depois da fusão, Pousada destaca que dois elementos mudaram no ambiente competitivo, justamente onde a RD foca seu crescimento:

A entrada da digitalização do cliente e a aprovação governamental de serviços farmacêuticos nas lojas (como vacinas, testes de glicemia e medição de pressão).

Já em abril de 2018, todas as farmácias já tinham a modalidade “compre e retire”.

Quando, então,  a RD dobrou suas vendas pela internet.

“A pandemia exponencializou isso. Em 2018, nosso negócio da internet era cerca de 1,5% da venda, hoje já representa 9,2%”, afirma.

Plataforma de saúde

Todavia, cada vez mais, a rede quer se posicionar como um ecossistema de saúde.

Em julho, por exemplo, a empresa lançou a Vitat, plataforma de saúde que combina um aplicativo com produtos, serviços e conteúdo para promover saúde e bem-estar.

O objetivo, portanto, é integrar ferramentas digitais com atendimento em unidades de farmácia, por meio da criação de espaços específicos para tratar do tema.

“Começamos a fazer, mas a pandemia acelerou isso, trouxe uma força única. Fizemos 3,4 milhões de testes de covid. Hoje, a farmácia é diferente, que pode entregar muito mais do que beleza, bem-estar em saúde e medicamentos, pode entregar também saúde integral para o cliente”, destaca o CEO.

Projeção

Indagado sobre o plano de crescimento para os próximos dez anos, o executivo afirma que a companhia já tem sonhos para um pouco mais cedo, em 2025.

“Criamos um plano novo com três pilares estratégicos: a nova farmácia, que é digital, o marketplace de saúde, que ainda é pequeno, mas já começou a operar com quase 60 mil itens, e a plataforma de saúde, com a criação de um ecossistema em que o cliente se relaciona conosco em vários momentos e oferecemos produtos e serviços para ele mudar hábitos de saúde. Em 2025, começaremos a colher os frutos desta estratégia”, conclui.

A visão do executivo também é a de boa parte do mercado, que aposta, portanto, a maioria das fichas na continuidade das novas vias de crescimento.

“Eu vejo a criação de um tremendo ecossistema de negócios em torno da RaiaDrogasil: com serviços farmacêuticos, planos de saúde, conceito de medicamento e especialidade, digital, marketplace. Será uma empresa de varejo farmacêutico que está no caminho de se tornar um ecossistema voltado para a saúde, prevenção e bem-estar”, aponta, portanto, Foganholo.

O Goldman Sachs confirma o entusiasmo.

“Acreditamos que a RD oferece um algoritmo de crescimento atraente construído na consolidação de ações orgânicas e ventos favoráveis estruturais, consistência ao longo do ciclo em margens e retornos e um perfil de demanda relativamente mais defensivo”, apontam os analistas Irma Sgarz, Felipe Rached e Gustavo Fratini.

Na última quarta-feira (10), o Brazil Journal publicou que os controladores da empresa venderam 2,4% do capital.

Aproveitando, portanto, o fim de um lockup de cinco anos, meses após a empresa renovar seu acordo de acionistas.

O novo bloco de controle seria composto pelas famílias Pipponzi, Pires e Galvão, que agora teriam 28% da companhia.

Fonte: Estadão

Foto: Raia Drogasil

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário