Reabilitação melhora em 26% a recuperação de pacientes pós Covid-19

O projeto tem como objetivo trabalhar a reabilitação de pacientes críticos pós Covid-19, implementar a alta segura, o giro de leitos e promover a retomada segura das atividades hospitalares eletivas no SUS

Os primeiros resultados do projeto piloto “Reabilitação pós-Covid-19” apontam que os pacientes que tiveram Covid-19 podem ter uma melhora condição motora e funcional no Sistema Único de Saúde (SUS).

Após três visitas e dois encontros virtuais em cinco hospitais do SUS, localizados nas cinco regiões do país, entre novembro/2020 a dezembro/2020, para avaliar o desempenho na assistência hospitalar em pacientes pós-Covid-19, possibilitaram, assim, um resultado no aumento de 26% na evolução dos pacientes em relação a independência motora e funcional.

Além de elevar para 120% o valor agregado da internação até a alta de cada paciente.

Ou seja, mais qualidade nos serviços de saúde prestados e melhor experiência vivida por eles.

Qualidade de vida

A iniciativa é do Ministério da Saúde (MS), por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS), executada pelo Hospital Sírio Libanês.

Os projetos foram implementados no Hospital Geral de Fortaleza (CE), Hospital de Base (DF), Hospital Municipal de Contagem (MG), Hospital Geral de Palmas (TO) e Hospital Geral do Trabalhador (PR).

E tem, portanto, como objetivo trabalhar a reabilitação de pacientes críticos pós Covid-19, implementar a alta segura, o giro de leitos e promover a retomada segura das atividades hospitalares eletivas no SUS.

O Hospital Geral de Fortaleza (CE), implementou 97% das ações planejadas e conseguiu atingir 60% de evolução geral.

Já o Hospital Municipal de Contagem (MG) conseguiu implementar 74% das ações do projeto e mostrar um quadro de evolução de 267% geral nos serviços de saúde prestados.

No entanto, um dos desafios do projeto é implementar o trabalho das equipes multiprofissionais e capacitar, então, esses profissionais em meio a pandemia.

Na fase piloto, cerca de 250 profissionais foram capacitados em mais de 320 horas de troca de conhecimento mútuo.

Fases do projeto

O “Reabilitação pós-Covid-19” tem duas fases.

A primeira tem duração de dois meses de intervenção e a segunda, então, consiste em quatro meses de monitoramento.

A equipe de intervenção é composta por: médico, especialista em gestão hospitalar, fisioterapeuta, nutricionista, enfermeiro, fonoaudiólogo e também por assistente social.

Para realizar esse projeto, foi utilizada a filosofia Lean.

E também ferramentas como, o plano de resposta hospitalar, o Round interdisciplinar e também as cartilhas de apoio.

Assim, o projeto se mostrou necessário e foi muito bem recebido pelas instituições participantes.

Ele continuará no próximo triênio 2021-2023 e deverá atender dez hospitais por ano.

Estudo reconhecido pela OMS avalia efeitos da ‘Covid Longa’ em 1,2 mil pacientes em todo o País 

Fonte: Gov.br

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário