Reajustes de insumos na indústria farmacêutica passam de 100%

Preços sofrem impactos do câmbio e do aumento da demanda mundial por causa da Covid-19

As fabricantes de medicamentos no Brasil experimentaram aumento nos custos dos reajustes dos insumos desde o início da pandemia.

Frete, embalagens e os Insumos Farmacêuticos Ativos (IFAs) apresentaram reajustes que chegam a mais de 100% em alguns casos.

O presidente do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma), Nelson Mussolini, disse que todos os insumos usados pela indústria sofrem com a cambial e o aumento da demanda mundial por causa da Covid-19.

“São insumos que, se não são importados, têm seus preços cotados no mercado internacional. Ou seja, a base é o dólar. Teve material de embalagem que subiu 85% e vem da Índia, China, Europa. A variação do dólar no último ano foi muito dura. Isso afetou muito a rentabilidade das empresas”, disse Mussolini.

Resinas para tampas de bisnagas aumentaram 85,82% em sete meses. Já caixas para bisnagas chegaram a custar 123,31% no período.

“Os aumentos ocorreram não somente para a produção de vacinas, o aumento foi generalizado nos insumos e em todos eles, como material de embalagem, blister, alumínio, polietileno.”

No caso dos fretes, de acordo com Mussolini, a alta foi de 10 vezes da pandemia para cá.

Ele afirmou todavia que se antes da crise sanitária um frete da China para o Brasil custava US$ 1 por quilo de IFA, agora as empresas pagam cerca de US$ 10 pelo mesmo quilo importado.

“Quem subsidia carga área são os passageiros. E com a restrição de voos, ficou ainda mais difícil o frete aéreo. Sabemos que ainda não voltou ao normal, mas, acredito que nunca mais retornam para aquilo que eram. A experiência demonstra isso”, afirmou o presidente do Sindusfarma.

IFAs

Quanto aos IFAs, os aumentos ocorreram pela grande procura mundial pelos fabricantes desses insumos, que se encontram em sua maioria na China e na Índia.

A indústria farmacêutica mundial é totalmente dependente desses dois países.

O Brasil, por exemplo, compra quase 90% dos IFAs produzidos na China e na Índia.

No entanto,  produção nacional é bem restrita e as farmacêuticas que produzem, normalmente, o fazem para consumo própria.

Não se consegue investir hoje por para produzir na semana seguinte. É um sonho imaginar que vai fazer uma fábrica de IFA em menos de 12 a 18 meses. E, se não tiver um mercado consumidor grande e uma exportação forte, fica inviável, o negócio. Precisa de uma garantia mínima de não ociosidade, justamente, para dar margem no negócio”, ressaltou Mussolini.

Um terço dos insumos importados para a produção de medicamentos vem da China 

Fonte: Valor Econômico

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário