Remédios podem ter imposto zero com reforma tributária

O ex-deputado federal Luiz Carlos Hauly, afirma que até o fim do ano, os medicamentos deverão estar isentos de tributação ou com uma alíquota próxima a 3%

Até o fim do ano, os medicamentos deverão ter imposto zero. Ou seja, estar isentos de tributação ou com uma alíquota próxima a 3%. É o que afirma o economista e ex-deputado federal Luiz Carlos Hauly, autor da PEC 293/2004. Essa PEC deverá ser votada ainda este ano na Câmara dos Deputados, juntamente com o projeto de reforma tributária do governo. Tal proposta já foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e por uma Comissão Especial da Câmara. Portanto, falta apenas a votação em plenário.

A declaração foi feita durante encontro organizado pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma). O evento foi reuniu altos executivos do varejo e da indústria farmacêutica, no dia 30 de julho, em São Paulo (SP). Além da tributação zero para medicamentos, a proposta do ex-deputado contempla a extinção de dez tributos que incidem sobre o consumo – Cide-Combustíveis, Cofins, CSLL, ICMS, IOF, IPI, ISS, PIS, Pasep e o Salário-Educação, que seriam substituídos pelo Imposto sobre Valor Agregado (IVA). Sendo assim, seriam mantidos apenas os impostos de renda e patrimoniais como IPTU e IPVA, além da contribuição previdenciária de empregado e empregador.

Hauly tem ainda o apoio do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que se baseou integralmente na proposta do ex-parlamentar para criar a PEC 110/2019. Essa PEC já tramita na CCJ e deverá ser votada ainda em 2019. Além disso, na Câmara dos Deputados tramita a PEC 45/2019, de autoria do deputado Baleia Rossi (MDB-SP). Tal PEC prevê apenas uma alíquota mais baixa sobre medicamentos, sem desoneração total.

A opinião do CEO da Abrafarma

De acordo com o CEO da Abrafarma, Sérgio Mena Barreto, a PEC contribui para destravar a economia. Além disso, ela serve para garantir acesso à saúde para a população de menor poder aquisitivo. “O remédio pesa, sobretudo, no orçamento das famílias mais pobres. Reduzir ou zerar a carga tributária é fazer justiça social. Isso sempre foi uma bandeira da entidade”, ressalta o executivo. Ademais, a Abrafarma, inclusive, já promoveu duas campanhas de mobilização. Elas culminaram em mais de 3,5 milhões de assinaturas da população em defesa do imposto zero para medicamentos.

Impostos no Brasil

O Brasil ostenta uma das maiores cargas tributárias médias sobre medicamentos. Pois o percentual chega a 31%, bem distante de países como França (2%), Espanha (4%), Japão (5%), Portugal (5%), Itália (10%), Alemanha (16%) e Argentina (21%). Canadá, Estados Unidos, Reino Unido e México mantêm imposto zero.

Foto: Shutterstock
Fonte: Conselho Federal de Farmácia

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário