Saiba mais sobre a febre amarela

Doença deve ser prevenida com vacina

A febre amarela voltou a ser bastante discutida após o aumento de casos no Brasil. Entre os sintomas da doença estão calafrios, dores de cabeça, nas costas e o no corpo, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Saiba mais sobre a patologia e oriente corretamente o paciente.

Como a febre amarela é transmitida?

Pela picada de mosquitos portadores do vírus de febre amarela. Em regiões de campo e floresta, o principal mosquito transmissor é o Haemagogus. O Aedes aegypti também pode ser um transmissor, principalmente na forma urbana da doença. A febre amarela não é transmitida de pessoa para pessoa.

Como a doença evolui?

Para a maior parte dos pacientes, os sintomas vão perdendo a intensidade a partir do terceiro ou quarto dia de infecção. Em alguns casos, no entanto, a doença entra em sua fase considerada tóxica.

O que acontece em casos mais graves?

Cerca de 10% dos pacientes desenvolvem a forma grave da doença. Ela geralmente acontece após um período breve de melhora dos primeiros sintomas. A febre reaparece, há hemorragias, insuficiência hepática, insuficiência renal. Uma das características é a coloração amarelada da pele e do branco dos olhos. Também é comum apresentar vômito com sangue, um sintoma da hemorragia. Cerca de 50% dos pacientes que desenvolvem a forma grave da doença morrem num período entre 10 e 14 dias.

Qual é o tratamento para a doença?

Não há um tratamento específico para a febre amarela. A medida mais eficaz é a vacinação, para evitar a contaminação.

A vacina deve ser tomada por toda a população?

É recomendada para pessoas de áreas de risco em 19 Estados. De forma temporária, a recomendação foi estendida a cidades do Rio de Janeiro, Espírito Santo, São Paulo e Bahia. Na capital paulista, a dose está sendo recomendada para quem vive ou frequenta a zona norte. A prioridade imediata é para quem vive na região do Horto.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário