HPC

Salsep Lenços Nasais Kids reforça a linha de produtos voltados para os cuidados da saúde nasal da Libbs

O produto chega ao mercado como aliado da limpeza externa do nariz de bebês e crianças

A limpeza nasal inadequada pode causar quebra da barreira de proteção e deixar a pele do nariz irritada, aumentando a predisposição a infecções secundárias, como impetigo e vestibulite nasal. Além disso, dados apontam que as crianças colocam o dedo no nariz pelo menos seis vezes por hora, esse atrito gerado pode causar irritações na pele e aumentar as chances de infecções por vírus e bactérias. 

É pensando justamente neste contexto que a Libbs Farmacêutica traz ao mercado o Salsep Lenços Nasais Kids, que chega como um aliado da higiene nasal, focado no cuidado da área externa do nariz. “No mercado nacional o acesso a produtos semelhantes era limitado até então. As opções disponíveis eram importadas ou com distribuição limitada. A chegada do produto vem para ampliar esse acesso e contribuir com a saúde nasal dos nossos pequenos”, explica Gabriel Malat Ribeiro, gerente de Produtos. 

Umedecido com solução salina, Salsep Lenços Nasais Kids também tem em sua fórmula vitamina E, Aloe Vera e Camomila. Sua embalagem abre e fecha, que mantém a umidade dos lenços, é ideal para levar na mochila da escola, malinha do bebê e na bolsa. “O Salsep Lenços apresenta ainda um importante diferencial: possui propriedade hidratante. Ou seja, limpa o nariz dos bebês e crianças sem irritá-los, removendo as secreções, ao mesmo tempo em que protegem, hidratam e cuidam da pele delicada “, pontua Ribeiro, que acrescenta: “Sabemos que quadros de IVAS geram estresse nas crianças, que estão com os narizes irritados, e nos pais, que precisam fazer a higienização. Salsep Lenços Nasais Kids vem para aliviar essa tensão e facilitar o momento de cuidado”.

Bebês e crianças de até cinco anos podem apresentar mais de 11 episódios de gripes e resfriados por ano, praticamente um por mês. Além disso, como crianças pequenas não sabem assoar o nariz direito, fazendo com que se irritem e limpem inadequadamente, a frequência dessas infecções respiratórias pode tornar a necessidade de limpeza do nariz e remoção da secreção ainda mais necessária no dia a dia delas. Porém, como a pele é mais delicada e sensível, a utilização de métodos alternativos ou inadequados, como lenço de papel, toalhas, fraldas, pode lesionar a pele e aumentar o risco de infecções secundárias.

“O nariz tem a função de filtrar, aquecer, umidificar e proteger, mas os fatores de complicação, como poluição ambiental, poeira domiciliar, mudanças climáticas, vírus e bactérias no ar podem comprometer seu funcionamento, trazendo como consequências a coceira, nariz escorrendo e entupido”, explica Dra. Maura Neves, otorrinolaringologista e doutora em Ciências da Saúde pelo Departamento de Otorrinolaringologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, que complementa: ”por isso, procurar realizar a limpeza da parte externa do nariz com materiais suaves pode ser determinante para causar menos danos na barreira da pele durante a crise de gripe, por exemplo”¹³.

“Não há fórmula mágica, nem processo milagroso. Há o cuidado e atenção no dia a dia. No momento em que vivemos, evitar colocar o dedo no nariz e cuidar da forma adequada da parte interna e externa do nariz são hábitos que devem ser mantidos“, complementa a especialista.

Referências consultadas

  1. Houben E, Adam R, Hachem JP, et al. Clinical scoring and biophysical evaluation of nasolabial skin barrier damage caused by rhinorrhea. Contact Dermatitis. 2008;59(5):296-300
  2. Lipschitz N, Yakirevitch A, Sagiv D, et al. Nasal vestibulitis: etiology, risk factors, and clinical characteristics: A retrospective study of 118 cases. Diagn Microbiol Infect Dis. 2017;89(2):131-134
  3. Önerci TM. Nasal vestibulitis and nasal furunculosis and mucormycosis. Diagn Othorhinolaryngol. 2019:69-71.
  4. Wilson AM, Verhougstraete MP, Beamer PI, et al. Frequency of hand-to-head, -mouth, -eyes, and -nose contacts for adults and children during eating and non-eating macro-activities. J Expo Sci Environ Epidemiol. 2021;31(1):34-44.
  5. Pereira LB. Impetigo – review. An Brasil Dermatol. 2014;83(2): 293-9.
  6. Data on file. Relatório final – Avaliação de aceitabilidade pediátrica para produto cosmético com avaliação de eficácia percebida. Osasco: Medcin Pesquisa; 2021.
  7. Chirico G, Beccagutti F. Nasal obstruction in neonates and infants. Minerva Pediatr. 2010;62:499-505
  8. DeMarco RC, Anselmo-Lima WT. Fisiologia do nariz e seios paranasais. In: Campos CAH, Costa HOO. Tratado de otorrinolaringologia. São Paulo: Roca; 2002.
  9. Watelet JB, Van Cauwenberge P. Applied anatomy and physiology of the nose and paranasal sinuses. Allergy. 1999;54(s57):14-25.
  10. Schraufnagel DE, Balmes JR, Cowl CT, et al. Air Pollution and Noncommunicable Diseases: A Review by the Forum of International Respiratory Societies’ Environmental Committee, Part 1: The Damaging Effects of Air Pollution. Chest. 2019;155(2):409-416. 
  11. Sakano E, Sarinho ESC, Cruz AA, et al. IV Brazilian Consensus on rhinitis – an update on allergic rhinitis. 

Braz J Otorhinolaryngol. 2018;84(1):3-14. 

  1. D’Amato G, Baena-Cagnani C, Cecchi L, et al. Climate change, air pollution and extreme events leading to increasing prevalence of allergic respiratory diseases. Multidiscip Respir Med. 

2013;8(1):12.

  1. S Eberlin, L Torloni, A RCsipak, G Facchini, G H da Silvat et al. (2021) Preclinical study to evaluate the effects of a soft handkerchief in nasolabial skin barrier. J. Dermatology and Dermatitis. 6(2); Doi:10.31579/2578-8949/078

Lavagem nasal em bebês ajuda na qualidade do sono e previne infecções respiratórias 

Fonte e foto: Libbs Farmacêutica

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário