Destaques & lançamentos

Saúde óssea em risco

Nunca se falou tanto do déficit de vitamina D e há diversos estudos científicos sobre o tema. Um deles revela que aproximadamente 16% da população com idade superior a 50 anos tem níveis insuficientes do nutriente, de acordo com pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e do Instituto de Pesquisas René Rachou (Fiocruz

Nunca se falou tanto do déficit de vitamina D e há diversos estudos científicos sobre o tema. Um deles revela que aproximadamente 16% da população com idade superior a 50 anos tem níveis insuficientes do nutriente, de acordo com pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e do Instituto de Pesquisas René Rachou (Fiocruz Minas), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

A carência dos brasileiros por esta vitamina tem algumas explicações. A primeira delas é a baixa exposição solar diária, já que a vitamina D se desenvolve no organismo naturalmente, somente com a exposição ao sol. O outro motivo para o déficit é a baixa ingestão de alimentos ricos nesse nutriente.

“As fontes alimentares naturais incluem peixes oleosos (como salmão, sardinha e cavala), ovos, cogumelos e fígado”, enumera a reumatologista, doutora assistente do Hospital do Servidor Público Estadual e
membro da Sociedade Paulista de Reumatologia (SPR), Dra. Elaine de Azevedo.

RISCOS PARA A SAÚDE

A deficiência de vitamina D acarreta sinais, como cansaço, dores nos ossos, fadiga, dores musculares e mudanças de humor, segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Além dos sintomas indesejados, a falta do nutriente passa a ser um terreno fértil para uma série de problemas para a saúde, entre elas, as doenças ósseas. Como a vitamina D ajuda o corpo a absorver e reter o cálcio e o fósforo, sendo essencial para a saúde dos ossos, a probabilidade de ocorrer fraturas fica maior.

“Quando falamos em idosos, a situação torna-se mais grave, aumentando as chances de quedas e, consequentemente, fraturas importantes”, adverte a nutricionista da NotreDame Intermédica, Patricia Mariano Rondello.

Segundo a endocrinologista do Hospital Santa Catarina, de São Paulo (SP), Dra.Priscilla Cukier, o cálcio é absorvido pelo estômago e pelos rins. Mas para que esse processo ocorra, é preciso que se tenha vitamina D. “Se não há o nutriente, a absorção e reabsorção do cálcio são ineficientes. Além disso, toda a contração de músculo, desde o músculo cardíaco até os músculos da perna, precisa de cálcio, por exemplo”, detalha.

A ingestão diária de cálcio também é um hábito importante para prevenir e tratar a osteoporose, doença que reduz a massa óssea, ocasionando a piora da qualidade dos ossos. E quando a vitamina D é deficiente, todo esse processo é comprometido.

A importância dos níveis da vitamina D interferem até mesmo no andamento do tratamento da osteoporose, como explica o reumatologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, Dr. Leandro Parmigiani. “Os níveis de cálcio no sangue e de vitamina D devem estar acima do seu limite inferior para que o tratamento da doença consiga ser efetivo”, pontua.

DOSAGEM CERTA

De modo geral, após a realização de exames de sangue, é o profissional de saúde que escolhe a dosagem ideal de vitamina D para cada paciente, de acordo com as necessidades.

“Estes profissionais irão saber orientar, prescrever e traçar a melhor estratégia de forma individualizada para que essa pessoa consiga atingir e depois manter os níveis adequados no corpo de vitamina D”, explica a nutricionista que atende na Unidade Básica de Saúde (UBS Jardim Caiçara), gerenciada pelo Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim” (CEJAM), Francyne Silva Fernandez.

A orientação na administração é fundamental, já que hipervitaminose D, que é a suplementação exagerada, resulta em riscos para saúde, ocasionando náuseas, vômitos, acompanhados de perda de apetite, fraqueza e, até mesmo, pressão alta. Além disso, pode levar a complicações endócrinas e cárdicas, alerta a SBEM.

Sobre a dose certa para tratamento, ela varia de acordo com o grau de deficiência e com a meta a ser atingida. “De maneira geral, quando está muito abaixo do desejado (abaixo de 20 ng/mL), um esquema de ataque é necessário para repor os estoques corporais”, explica a endocrinologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo (SP), Dra. Cristiane Lauretti Funaro.

O processo mais utilizado atualmente é de 50.000 UI/semana (ou 7.000 UI/dia) de vitamina D por seis a oito semanas.

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Sobre o colunista

Deixe um comentário