Saúde prevê gastar R$ 250 milhões para pôr ‘kit-covid’ em farmácias populares

Hidroxicloroquina e azitromicina fazem parte do 'kit covid' mesmo sem eficácia comprovada, pois tornaram aposta do governo Jair Bolsonaro contra a doença

Mesmo com mais de 2,5 milhões de comprimidos de hidroxicloroquina encalhados nos estoques, o Ministério da Saúde planeja gastar até R$ 250 milhões para oferecer o medicamento, além do antibiótico azitromicina, no programa Farmácia Popular.

O plano prevê reembolsar farmácias conveniadas para que distribuam de graça os produtos que compõem o chamado “kit covid”.

Essas drogas não têm eficácia comprovada contra o novo coronavírus, mas se tornaram aposta do governo Jair Bolsonaro para enfrentar a pandemia.

Agora, a ideia é usar dinheiro público para distribuir gratuitamente em farmácias.

Os comprimidos de hidroxicloroquina encalhados não fazem parte do kit que poderá, dessa maneira, passar a ser distribuído gratuitamente.

No Farmácia Popular, os estabelecimentos conveniados entregam, por exemplo, medicamentos de graça ou com até 90% de desconto e recebem reembolso pelo valor que pagaram à indústria.

Com os mesmos R$ 250 milhões previstos para distribuir o “kit-covid” seria possível ao governo comprar 13,18 milhões de doses da vacina produzida pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca, ao preço de R$ 18,95 por unidade, suficiente para imunizar quase 7 milhões de pessoas.

O estudo para inserir o medicamento no Farmácia Popular corre em sigilo no ministério desde o começo de julho.

Nesta semana, a proposta recebeu aval da área jurídica e chegou às mãos do ministro Eduardo Pazuello.

Será preciso prescrição médica para retirar o “kit covid”.

De acordo com a tabela de preços definida pelo governo federal, custa R$ 25 cada caixa com dez comprimidos de sulfato de hidroxicloroquina 400 mg.

Esse medicamento indicado na bula para artrite reumatoide, lúpus e malária. Já dez comprimidos do antibiótico azitromicina 500 mg valem R$ 35 – valores considerando o ICMS de São Paulo.

Estoque

Desde o início da pandemia, Bolsonaro turbinou a produção de cloroquina no Laboratório do Exército, que fez mais de 3,2 milhões de comprimidos.

Em novembro havia mais de 400 mil unidades em estoque.

O País também recebeu cerca de 3 milhões de comprimidos de hidroxicloroquina do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e da farmacêutica Sandoz, mas ainda não conseguiu distribuir nem 500 mil unidades.

Além da baixa procura, o fármaco foi enviado em caixas com 100 ou 500 comprimidos e precisa ser fracionado – com custo repassado a Estados e municípios.

No entanto, o presidente tem insistido em divulgar o medicamento mesmo após uma série de estudos, realizados em diferentes países, não conseguirem comprovar qualquer benefício.

A pasta de Pazuello passou a recomendar o uso desde os primeiros sintomas da Covid-19. O próprio Bolsonaro e a primeira-dama, Michelle, disseram que se trataram com essas drogas.

Hidroxicloroquina: AMB defende autonomia do médico 

Fonte: Estadão

Foto: São José dos Quatro Marcos/Luiz Carlos Bordin

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário