Senado aprova projeto que prevê quebra de patentes de vacinas e remédios contra Covid-19

Com a mudança, produtos com eficácia comprada contra o vírus não precisariam seguir direitos de propriedade intelectual durante a pandemia

Senado aprovou, ontem (29), o projeto que autoriza a quebra de patentes para vacinas e medicamentos relacionados ao combate à pandemia de Covid-19, por 55 votos a 19.

O relator, senador Nelsinho Trad (PSD-MS), alterou o texto original após críticas do governo federal e do setor empresarial.

A nova versão, porém, ainda é alvo de questionamentos.

Com a quebra de patentes, a produção de imunizantes, insumos e remédios com eficácia comprovada contra a Covid-19 não precisariam, então, observar os direitos de propriedade industrial durante a pandemia do novo coronavírus.

A saber, no âmbito internacional, países tentam aprovar essa medida na Organização Mundial do Comércio (OMC).

O projeto aprovado ainda dependerá da Câmara dos Deputados. Se for sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, o Executivo terá 30 dias para regulamentar a nova lei.

O que significa a quebra dessas patentes

O relator retirou do projeto o dispositivo que desobrigava o Brasil a cumprir acordos internacionais.

Por outro lado, a versão aprovada autoriza, então, a licença compulsória quando a empresa que detém o produto não suprir o mercado de forma suficiente em uma situação de emergência como a do novo coronavírus.

Além disso, o relatório fixa também uma remuneração provisória ao dono da patente equivalente a 1,5% sobre o preço líquido de venda do produto a ela associado até que o valor seja definitivamente definido.

A proposta do relator é criar duas etapas no processo de licenças compulsórias.

Na primeira, o Executivo deverá publicar, em até 30 dias, uma lista de patentes relacionadas, então, a produtos e processos essenciais para o combate à pandemia.

As vacinas contra o novo coronavírus e suas variantes e o medicamento Remdesivir, usado no tratamento de pessoas hospitalizadas com covid-19, deverão estar inclusas.

Na segunda fase, seriam efetivamente concedidas licenças das patentes da lista para as quais surgissem propostas no mercado com comprovação da capacidade de produção e investimentos no País, em um novo prazo de 30 dias..

Indústria

Ao analisar a nova versão da proposta, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) classificou, portanto, como positiva a retirada de violação das obrigações internacionais.

Mas também avaliou que o projeto continua sendo “ineficaz” e, na prática, não vai contribuir, portanto, para o aumento de vacinas no Brasil.

Contudo, para a confederação, a quebra de patentes não resolve o principal gargalo na disponibilidade de imunizantes.

Que é justamente a dificuldade da indústria em atender a demanda mundial, especialmente com o insumo das doses.

No entanto, nas últimas semanas, os dirigentes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Insituto Butantan se manifestaram contra a quebra de patentes.

O novo chanceler ministro das Relações Exteriores, Carlos França, disse que a medida não é o caminho mais eficaz para aumentar a oferta de vacinas, durante audiência pública na Câmara na última quarta-feira (28).

No parecer, o relator insistiu que o projeto vai acelerar a oferta de doses ao Brasil.

 

Laboratórios aguardam decisão do STF para começar a produzir medicamentos utilizados para tratar sintomas de Covid-19 

Fonte: Estadão

Foto: Shuttersrtock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário