Sequelas em pacientes da Covid continuam dois meses após alta hospitalar

Estudo norte-americano mostrou que 39% dos hospitalizados que tiveram sequelas da Covid-19 não voltaram às atividades normais

A hospitalização é uma dura experiência para pacientes com sintomas mais graves da Covid-19. Como se não bastasse, as sequelas da doença vêm acometendo os sobreviventes, mesmo tempos depois de receberem alta. É o que constatam pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, em um estudo sobre os efeitos de longo prazo do novo coronavírus na saúde, trabalho e bem-estar.

A pesquisa contou com análise de dados de mais de 1,2 mil internados pela Covid-19 em 38 hospitais de Michigan, entre abril e julho.

O levantamento mostrou ainda que, após dois meses do fim do tratamento, 7% haviam morrido. Se contados apenas os internados em Unidades de Terapia Intensiva, o índice subia para 10%. Já 15% acabaram voltando para o hospital no mesmo período. 

Além disso, os pesquisadores também fizeram entrevistas por telefone com 488 sobreviventes. Desse grupo, 39% disse não ter retomado as atividades normais 60 dias após a alta hospitalar.

Cerca de 12% relatou que não conseguia mais cuidar de si mesmos sozinhos, ou tão bem quanto antes. Quase um quarto (23%) admitiu ficar sem fôlego ao subir ao menos um lance de escadas. Além disso, um terço continuava apresentando sintomas semelhantes aos da Covid-19, incluindo problemas com paladar ou olfato. 

“Para a maioria dos sobreviventes, era comum ter sequelas como a morbidade contínua – incluindo a incapacidade de retornar às atividades normais –, assim como sintomas físicos, emocionais, e perda financeira”, afirmam os autores do estudo, publicado pelo periódico científico Annals of Internal Medicine.

Dificuldade para retornar ao trabalho

Todavia, daqueles que trabalhavam antes da internação, 40% disseram não ser mais capazes de voltar ao emprego, alguns porque haviam perdido, mas a maioria devido a problemas de saúde consequentes.

Pouco mais de um quarto dos que voltaram a trabalhar teve a jornada diminuída, também por razões de saúde. Quase metade dos entrevistados alegou ter sido emocionalmente afetado pela experiência com a Covid-19, incluindo uma parcela que procurou atendimento mental.  

“Esses dados sugerem que a carga do Covid-19 se estende muito além do hospital e da saúde. Os custos mentais, financeiros e físicos entre os sobreviventes parecem substanciais”, de acordo com o autor principal do estudo e chefe de medicina hospitalar da Universidade de Michigan, Vineet Chopra.

Mais de um terço (37%) dos entrevistados, no entanto, disse que sua experiência com a Covid-19 trouxe um impacto financeiro. E cerca de 10% disseram, também, ter gastado a maior parte ou todas as suas economias com o tratamento, e 7% afirmaram estar racionando comida, aquecimento, moradia ou medicamentos por causa dos custos.

“O grande número de pessoas lutando após a Covid traz uma nova urgência para o desenvolvimento de programas para apoiar a recuperação depois da doença aguda”, afirma a autora sênior e médica pulmonar na Universidade de Michigan, Hallie Prescott.

Por que mais homens morrem pela Covid-19? 

Fonte: Frederico Cursino, da Agência Einstein

Foto: Shutterstock

Indique para um amigo ... Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email
Print this page
Print

Deixe um comentário